Neymar, O Brasileiro.

O egocentrismo das rivalidades eurocêntricas, os colonizadores e exploradores que entre si travaram guerras e a mais diversa sorte de conflitos para ver quem é a legitima rainha mitológica de Creta. Pra mim, humilde crônico tupiniquim, tudo não passa de gente quem tem demais e precisa criar complexos geográficos. Mas é levado a sério. Rivalidade é coisa louca…

Aqui no Brasil, um dos primeiros exemplos de rivalidade que vi fora num Santos e São Paulo no Morumbi, começo dos anos 2000, Diego e Robinho comemorando o gol saltitando em cima do escudo São Paulino. Brincadeira de moleques, mas foi levado a sério. Rivalidade é uma coisa louca…

Eu não sou um expert em história européia, sou um expert em Neymar. E se for pra tomar partido, estou do lado do moleque. É sabida a rivalidade entre Inglaterra e França, e como a ótica dos dois países acerca do futebol é muito diferente. Particularmente acho os ingleses donos de uma prepotência impar no futebol mundial, se esquecem que apesar de terem inventado o esporte não inventaram a bola; Os comentaristas ingleses sempre defendem uma certa honra acerca do verdadeiro futebol, o futebol de respeitos e eticeteras. A coisa fica interessante quando nosso moleque mulato entre em cena pra bagunçar todo esse conflito secular, o menino ousado de Santos se veste de trajes napoleônicos e vai pra guerra dando lambretas em Ingleses.

Veja bem, os Ingleses ja detestam Neymar de alguns carnavais, se perguntassem a Arnaldo Jabor ele provavelmente diria que é dor de corno pelo país sempre ter sido preterido por Neymar, logo eles que ostentam com orgulho a dita melhor liga do planeta. Bem, Neymar é gênio e gênios são geniosos por definição.

Eu fico com um sorriso gigantesco ao ve-lo aplicando seu futebol de campeonato paulista no jogo europeu mais importante da temporada. Neymar segurando a bola no canto do campo, digno da final contra o Santo André em 2010, e seguindo nenhuma logica mundana aplicando uma lambreta. O jogo acaba, Klopp bate em Neymar, a imprensa bate em Neymar. Neymar está no vestiário gravando um stories com outro brazuca dançando o funk “Parado no Bailão”. Neymar leva o futebol a sério, mas leva de um jeito ilógico e sem a ululante glória europeia, joga como brasileiro.

A Inglaterra sempre vai odiar Neymar, entrou para o hall de personas non gratas na terra da rainha. Neymar tampouco liga, essas horas ele deve estar jogando counter strike. No centro de políticas, conflitos, rivalidades e loucuras, tem um brasileiro sendo brasileiro. Eles levam a sério demais, são loucos.

Que a França aplauda Neymar O Brasileiro, que sem perceber, ao dar aquela lambreta sem sentido, pôs mais uma guerra conquistada aos franceses.

  • Chivo Garcia, 29 de Novembro de 2018.