USINA HIDRELÉTRICA DE ITÁ CAUSA IMPACTOS SOCIAIS

02 de junho de 2016

Moradores relatam suas histórias sobre como foram atingidos pela barragem

…”a barragem não nos trouxe vida, e sim mortes”…
Torres da Igreja da Antiga Itá Créditos: Luana Romani

Itá:

…”a água da barragem não nos trouxe vida, e sim mortes”…

No dia 02 de junho de 2016, os 9° anos do Colégio de Aplicação — UFSC, com o Projeto Pés na Estrada, fizemos uma viagem de estudos para 3 cidades, que foram atingidas pela construção da Usina Hidrelétrica de Itá. Nosso grupo foi buscar o ponto de vista de atingidos por construções de hidrelétricas para realmente saber o que se passam, sentem, ganham e perdem com isso tudo. Fomos lá para nos aprofundarmos no assunto e mostrar o que a mídia não mostra. Nosso ponto principal são os impactos causados, não apenas ambientais mas também sociais. Escolhemos esse tema pois conseguimos perceber que as pessoas sempre veem, agem e pensam de forma capitalista, queremos mostrar o outro lado (as consequências), querendo ou não, somos nós que sofremos com elas. Isso contribuirá para nós e para as outras pessoas que ficarão cientes de nosso trabalho para enxergar o que está acontecendo com o nosso planeta e com quem os habita.

O município de Itá se localiza no estado de Santa Catarina, está localizada no Oeste, a 28km de Erechim. Já existiram duas cidades chamadas de Itá, uma já foi inundada pela Usina Hidrelétrica. Hoje em dia, da cidade velha só podemos observar duas torres da igreja da Antiga Itá. A maior parte de sua população é de origem alemã ou italiana. As cidades vizinhas são : Seara, Concórdia e Chapecó. Seus primeiros colonizadores chegaram em 1919 pelas margens do rio Uruguaiana onde lá permaneceram. Em 1978 a população da antiga Itá recebeu a notícia que teriam sair de suas casas pois a cidade seria totalmente submersa pela água da barragem, não tiveram opção, ou seja, teriam que encontrar outro lugar para a construção da nova cidade, que foi inaugurada em 13 de dezembro de 1996.

O Rio Uruguai, foi quem alagou a Antiga Itá, ele é considerado sul-americano, e nasce na Serra Geral, e forma-se pela junção de 2 rios, Canoas e Pelotas, em altitude de 440 metros de altitude. O Rio Uruguai passa por 3 países, Brasil, Argentina e Uruguai. Tem 1770km de comprimento.

A cidade de Aratiba, também foi afetada pela construção da Hidrelétrica De Itá. Segundo o depoimento da Senhora Dalva, de 66 anos, moradora do antigo município, falou que a população teve muitos problemas emocionais/psicológicos, inclusive seu marido, que era agricultor..: “… ele perdeu, o de mais sagrado que ele tinha, o lar, os pais do lado, e tudo..” .Ela também citou durante a entrevista que sua filha, que na época tinha 11 anos, chorou durante todo o trajeto para o novo município.

Um morador de Itá, chamado Otolino, de 77 anos, dono de um hotel na antiga cidade, diz que o hotel de lá de baixo era melhor que o de hoje, porque a procura era maior. Realizou uma entrevista conosco, ele nos disse que Itá, era bom, mas que sua vida na nova cidade é muito melhor, por causa que seus ganhos no comércio aumentaram, e ele ganhou um terreno, e construiu um prédio de dois andares, onde em cima tem a sua moradia, e embaixo sua loja, de R$ 1,99.

Créditos: Luana Romani
Circulado em vermelho, está o hotel do senhor Otolino (entrevistado acima), na antiga Itá, em junho de 1986.

Usina:

Água e energia não são mercadorias…

Atualmente no Brasil existem 158 usinas hidrelétricas de grande porte, que produzem mais de 74.438.695 kW, é o equivalente a cerca de 5 bilhões de barris de petróleo. Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o Brasil está entre os 5 maiores produtores de energia hidrelétrica do mundo. Esse tipo de geração de energia gera muitos impactos ambientais, e estudiosos tentam encontrar como amenizá-los, uma vez que a hidrelétrica é considerada renovável. A energia produzida pela usina, é distribuída para todo o Brasil, e o que sobra, eles vendem para outros lugares do mundo. A construção da Usina Hidrelétrica Itá iniciou em 1º de março de 1996, e a inauguração foi em outubro de 2000.

Segundo Machado (2010) os impactos da instalação de usinas hidrelétricas vão além de uma construção de grandes proporções, com suas toneladas de concreto e imensas áreas alagadas, mas englobam diversos problemas. Alencar (2016), relata diversos impactos tais como, desmatamento (causando gases contribuintes para o efeito estufa), o deslocamento de populações locais, áreas de pesca prejudicada (a construção da barragem dificulta a travessia dos peixes), biodiversidade afetada por alagamentos e também espécies que ali habitam (terrestres), podendo também ter contaminação metilmercúrio (vira uma toxina, se molhada). O único ponto positivo citado pela autora foi a geração de empregos durante a construção da usina, mas logo depois da conclusão não teriam mais para onde ir.

Vieira e Vainer (2010) citam as mesmas coisas que Alencar, mas o foco deles foi os impactos sociais e ambientais causados, como as hidrelétricas que são construídas nos locais com as últimas remanescentes florestais da região. Eles falam que se comparar com os acontecimentos causados pela construção de hidrelétricas não compensaria, de fato, a maioria, são efeitos negativos.

A usina foi pensada para ser mais um ponto de produção/coleta de energia, para distribuir entre cidades, industrias, etc… Com a construção da hidrelétrica em cima de uma pequena cidade, a empresa teve que realocar o município da antiga Itá em um lugar próximo de lá para que não ficasse submersa pela água.

“Água e energia não são mercadoria”, é uma frase dita por pessoas de todo o Brasil (MAB), que foram atingidos por barragens. O significado dessa frase é que a governo e empresas só pensam e agem de forma capitalista, buscando lucros não importando a maneira de consegui-lo. Nesse caso quem sofreu essas consequências foram os ribeirinhos, animais e flora, pois perderam tudo só para construírem a usina hidrelétrica, para ganhar dinheiro com ela, pegando todo o lucro para eles.

Usina Hidrelétrica de Itá Créditos: Luana Romani

Conclusão:

Percebemos que de cada cidades que visitamos, vimos pontos de vistas diferentes. Essa grande construção trouxe diversos prejuízos, tanto sociais quanto ambientais, problemas para animais, plantas, solo e para os agricultores que ali viviam. Trouxe benefícios apenas para os antigos moradores, que só perderam as velhas recordações. A usina é boa, mas por outro lado, podemos pensar em modos alternativos, como usinas eólicas, que geram energia que vem do vento. Todos os modos de produção de energia sempre vão gerar alguns problemas, tanto sociais, quanto ambientais.

Fonte: http://ita.sc.gov.br/atrativos/34-usina-hidreltrica-it
https://pt.wikipedia.org/wiki/Usina_Hidrel%C3%A9trica_de_It%C3%A1

Autores:

José Vitor
João Franchini
Luana Romani.