Cartas que eu nunca envi(ar)ei

Sabe do que eu mais tenho medo? Sendo bem egoísta mesmo? Que tudo isso passe.

Ou pior, que não passe.

Mas que uma coisinha aqui e outra ali, quando eu me der por conta, isso não será suficiente. E a partir daí eu terei duas escolhas terríveis a fazer:

Eu posso me ficar e me acomodar com o fato que nunca terei tudo o que espero ter.

Ou eu posso ir embora e criar todos aqueles pesadelos de novo.

Agora eu não sei se aguentaria passar por esse sofrimento. De novo.

Nem o primeiro, nem o último. O primeiro ainda é recente e ainda lateja. O segundo foi a minha maior cicatriz até hoje, ainda que um pouco mais bem curada. Mesmo assim, nesse momento de tantas reviravoltas na minha vida, não sinto que sou capaz de ser a causa de mais sofrimento. Ainda.

Nesse momento eu não consigo te prometer pra sempre, então eu não vou te prometer o agora.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.