Minha experiência com a música em 2015 (com lista de melhores do ano)

As tradicionais listas de fim de ano já estão publicadas na maioria dos sites especializados. Eu, como de costume, enrolei para fazer a minha. Deixei para o último dia de 2015, justamente quando o álbum Blackstar do David Bowie, que será lançado no dia 8 de janeiro de 2016 caiu na rede.

Com a internet cada vez fica mais fácil consumir cultura e no caso da música, ouvir álbuns com antecedência, sem pagar nada.

Eu aproveitei bastante. Principalmente pelo site new album releases baixei quase todos os discos que queria ouvir. E ficava puto quando o link não abria e tinha que esperar por um novo. Isso me deixou mais ansioso, principalmente quando o site vaza álbuns com meses de antecedência.

Mas esse ano também ficou marcado pelo crescimento dos serviços de streamming. Comecei o ano aproveitando o Spotify gratuito. Como faço muito download nunca imaginei assiná-lo. Mas…

Notei que a maioria das músicas que gosto estão no acervo do aplicativo. Estava cansado de ter que conectar meu smartphone no notebook para baixar meus downloads para a memória do dispositivo (uso a bicicleta como meio de transporte e adoro pedalar ouvindo música).

Sempre tive problema com os cabos — a vida útil deles comigo dura muito pouco e eu tinha que atualizar minha playlist todos os dias, pois meu humor se altera com frequência quando se trata de música: tem dia que quero ouvir Boogarins e Tame Impala, no outro quero David Bowie e Iggy Pop, e no mesmo dia já quero Ryan Adams e Arcade Fire, e assim vai.

Aaaa e é um pé no saco ter que conectar o celular toda vez para trocar de playlist.

E aí resolvi assinar o Spotify. Nos primeiros meses paguei apenas R$ 1,90, como se fosse uma fase de testes. O teste deu certo comigo.

É muito cômodo, prático e simples liberar as músicas para ouvir offline no aplicativo. Em menos de dez minutos você exclui o que não quer mais e já baixa o quer ouvir. Facilitou muito minha vida.

Mesmo assim continuo fazendo download. Sou viciado por música e quero consumir de todas as formas possíveis.


Aqui vai minha lista de melhores discos nacionais e internacionais de 2015, obviamente, apenas aqueles que ouvi, tem outros que talvez estariam nesta lista, mas infelizmente não deu para escutar.

NACIONAIS

1-— Elza Soares — A mulher do fim do mundo

2 — Cidadão Instigado — Fortaleza

3 — Boogarins — Manual ou guia livre de dissolução dos sonhos

4 — Tulipa Ruiz — Dancê

5— Siba — De Baile Solto

6 — Gal Costa — Gal Estrosférica

7 — Emicida — Sobre crianças, quadris, pesadelos e lições de casa

8— Rodrigo Ogi — R Á!

9 — Bike — 1943

10— Mahmed — Sobre a vida em comunidade

11 — Bárbara Eugênia — Frou Frou

12 — BNegão e Seletores de Frequência — Transmutação

13 — Maglore — III

14 — Bixiga 70 — Bixiga 70

15 — Karina Buhr — Selvática

Playlist: https://play.spotify.com/user/12146584158/playlist/1c0PEciLUp7Eb05gdvnHCm

INTERNACIONAIS

1 — Kendrick Lamar — To Pimp a Butterfy

2 — Tame Impala — Currents

3 — Sleater-Kinney — No Cities To Love

4 — Courtney Barnett — Sometime I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit

5 —Deerhunter — Fading Frontier

6 — Kurt Vile — b’lieve i’m goin down…

7 — Alabama Shakes — Sound & Color

8 — Father John Misty — I Love You, Honeybear

9 — Blur — The Magic Whip

10 — Ryan Adams — 1989

11 — Wilco — Star Wars

12 — Foals — What Went Down

13 — Unknown Mortal Orchestra — Multi-Love

14 — Mac DeMarco — Another One

15 — The Dead Weather — Dodge and Burn

Playlist: https://play.spotify.com/user/12146584158/playlist/1c0PEciLUp7Eb05gdvnHCm