As 5 disciplinas que mais desenvolvi durante a graduação

Durante 7 anos na universidade eu passei por diversas disciplinas da grade do curso, mas nenhuma delas me ensinou de fato o que eu aprendi nos 7 anos que estive por lá.

Disciplinas como Introdução a Computação, Fundamentos de Sistemas de Informação, Contabilidade, Administração, Algoritmos, Inteligência Artificial…tudo e mais um pouco (algumas mais de 1 vez, inclusive). Foram longos 7 anos para finalizar o bacharelado em Sistemas de Informação, para em seguida abandonar a carreira em TI e começar a dar aulas de inglês online.

Mayeesherr.

Não posso negar que todas as disciplinas que cursei me ensinaram algo para a vida. Entretanto, nenhuma delas me ensinou mais do que as competências que listarei abaixo.

1. Relacionamento Interpessoal.

Obviamente o relacionamento interpessoal é feito desde o primeiro dia de nossas vidas, seja em família, na escola, universidade, amizades ou trabalho. Porém o tal do networking (que não é tudo, mas é 100%) que eu criei e desenvolvi na graduação não foi bem pelas disciplinas que eu cursei, mas fora delas.

É bom deixar claro que relacionamentos de qualquer tipo podem sofrer mudanças. E tudo bem. Os objetivos mudam, as vontades se transformam e consequentemente esses laços se rompem e novos são criados.

Durante a Universidade, criei um relacionamento estreito com algumas poucas pessoas enquanto estive no Diretório Acadêmico de Sistemas de Informação e no fim do curso quando me juntei com alguns amigos para conseguir se formar. Essas amizades eu tenho até hoje e me orgulho muito pela oportunidade de ter conhecido e manter contato até hoje (mesmo que seja apenas virtual em alguns casos).

Relacionamento interpessoal é o maior valor que a Universidade pode te trazer. Aproveite!

2. Resiliência.

Não foram poucos os casos de resiliência que eu vivi desde que eu nasci. Mas na graduação tiveram momentos muito importantes.

Entre passar na FUVEST e sair com o diploma na mão, muita coisa aconteceu. E ser resiliente a todas elas foi fundamental para que eu conseguisse me formar.

Me lembro bem quando sai do 2º semestre da faculdade com 5 DPs nas costas. Aquilo mexeu comigo a ponto de repensar se eu queria seguir no curso. Cheguei a cogitar transferência para Marketing, mas no fim acabei ficando no curso de Sistemas.

Depois em 2011 tive a chance de ir para os EUA a trabalho e tive que trancar a faculdade por 1 ano. Voltar para o Brasil e retomar os estudos foi difícil, mas o item 1 dessa lista me ajudou muito a concluir os estudos.

Enfim, se você for rígido, algumas possibilidades podem nem existir na sua vida. Quando se começa a empreender que isso fica cada vez mais nítido. Todo dia é dia de mudança. Aprender a lidar com elas é a grande sacada no fim das contas.

3. Trabalho em Grupo e Confiança.

Vou começar esse ponto avisando que não fui um exemplo no trabalho em grupo e confiança durante a faculdade. Hoje eu entendo o porquê, mas na época foi bem difícil lidar com isso e decepcionei algumas pessoas. Mas o ponto é que essa disciplina apareceu no momento que eu mais precisei.

Foi no fim da graduação que eu estava com a corda no pescoço e não podendo reprovar em mais nenhuma matéria que mais desenvolvi o trabalho em grupo e, principalmente, a confiança.

Montamos um grupo de pessoas que se uniu com o único objetivo de se formar. E ali ninguém podia atrasar, esquecer ou deixar pra depois. Ou fazia certo ou todo mundo se dava mal. No caso se dar mal era não se formar no tempo hábil e ser jubilado.

Ter um objetivo muito claro e definido fez toda a diferença para eu me formar.

De 2007 ao começo de 2012, por mais estranho que possa parecer, não tinha muito sentido o que eu fazia na Universidade. Era apenas estudar, arranjar um trabalho, ganhar dinheiro, se formar e todo aquele fluxo que conhecemos. Mas quando eu realmente percebi que poderia "perder" os 5 anos que eu estava ali e não me formar, criou-se claramente um alvo com letras garrafais e coloridas: PRECISO ME FORMAR.

No fim eu me formei e deu tudo certo. Confiar nos meus colegas a cada problema que tínhamos foi fundamental no sucesso dessa empreitada.

4. Agir sob pressão.

Falar sobre pressão pra mim é quase que redundante. Nasci com a pressão nas costas desde o momento que eu consegui pronunciar as primeiras palavras.

Nos momentos de maior pressão foi onde eu me sai melhor. No meu caso, ter pressão é sinônimo de resultado. É quase como um vício. Preciso da adrenalina, estar num incêndio para que as coisas funcionem de fato. Como o próprio Carlos Wizard disse uma vez quando questionado como ele consegue abrir tantas lojas do Mundo Verde em tão pouco tempo: "Primeiro eu abro, depois eu resolvo os problemas".

A questão é que nem todo mundo consegue lidar bem nesse tipo de situação. E que bom. Senão o caos estava instaurado nesse planeta.

Antes de saber agir sob pressão você precisa conhecer se funciona ou não sob pressão. Sugiro um processo de Autoconhecimento. (posso indicar uma pessoa que me ajudou muito nisso em 2013 e que germinou em tudo isso que venho desenvolvendo ultimamente).

Na graduação eu estive sob pressão em diversos momentos. Alguns deles eu já mencionei nos itens acima, mas o principal e que vale a pena ressaltar foi quando pedi demissão de um emprego em 2012 para focar nas disciplinas do segundo semestre daquele ano. O plano estava traçado. Era pedir demissão, focar nas aulas, estudar muito e passar nos 30 créditos que eu tinha puxado naquele semestre.

O meio do caminho não foi tão fácil. Tive que ser bem resiliente, ter um bom relacionamento interpessoal, trabalhar em grupo, agir sob pressão e confiar que daria tudo certo.

Eu estava em meados de setembro, começo de outubro e tinha perdido 3 P1s (primeiras provas) de algumas disciplinas importantes. Era como começar o jogo perdendo de 3x0 em casa e tendo que virar o placar no campo adversário.

Resultado? Passei nos 30 créditos. O que me aliviou a pressão no ano decisivo seguinte.

5. Liderança.

Com certeza a disciplina mais importante que aprendi durante o curso. Foi através de atividades extra-curriculares que aprendi e desenvolvi a minha liderança fundamental nos dias de hoje.

Hoje muito se fala sobre ser líder, mas pouco se ensina na prática.

Eu comecei a ter mais noção sobre isso quando entrei no mercado de trabalho. A experiência foi horrível e me deu o exemplo oposto de como não ser líder. Não é uma maneira que eu recomendo de se aprender, mas é uma ótima ferramenta.

Dentro das salas de aula é possível também entender esse conceito com a figura do professor. Preste bem atenção em como o seu professor leva a disciplina e como é o feedback dos alunos. Os detalhes fazem a diferença.

No fim, pude aplicá-lo dentro do Diretório Acadêmico do curso onde ficou claro pra mim que tipo de relação e atividade eu queria desenvolver para a minha vida. Essa experiência foi fundamental para eu decidir empreender e seguir com o estilo de vida que levo hoje.


As competências citadas acima são parte da minha experiência. Você pode desenvolvê-las de outras formas e em outros lugares. Só depende da forma como você lida com cada projeto, atividade, relacionamento. Não existe certo, nem errado.

Se você se interessou por esse post, dê um ❤ para que outros possam ler e refletir um pouco sobre esse assunto.

Até breve!