Eleição no Rio tem recorde de abstenções, brancos e nulos

O segundo turno da eleição para prefeito na cidade do Rio de Janeiro registrou um recorde de faltas. O número de abstenções chegou a 1.314.950, que representa 26, 75% dos eleitores, número superior aos votos do candidato derrotado Marcelo Freixo (PSOL).

Considerando também a quantidade de votos brancos e nulos, que chegou a 20,08% dos eleitores, o número ultrapassa os 2.000.000 de “não votos”, mais do que os cerca de 1.700.000 votos do candidato eleito Marcelo Crivella (PRB).

O alto número de faltas se repetiu também em diversas cidades brasileiras. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Gilmar Mendes, disse que esse cenário enfraquece o processo eleitoral. Mas afirmou que este número não traduz toda a realidade.

“Verificamos, por exemplo, que nos estados onde a biometria avançou mais, a abstenção cai de 18% para 10% ou 11%. Nestes locais, os cadastros estão mais atualizados. Isto foi constatado fazendo uma leitura crítica dos números da Justiça Eleitoral. Sobre eles pesam outros fatores, como pessoas que morreram recentemente e que ainda constam como ausentes, ou ainda pessoas que mudaram de domicílio e que também entram na estatística dos ausentes”.