Ritual Menor do Pentagrama

Ritual Menor do Pentagrama tem se tornado a pratica inicial para todo magista em potencial, sendo também uma das primeiras praticas ensinadas em ordens iniciaticas como as de tradição Maçonica e Rosacrucianista e até mesmo a famigerada Golden Dawn, que abridou figuras famosas como, MacGregor Mathers, Aleister Crowley, Dion Fortune, Austim Osman Spare e Israel Regardie.

O ritual consiste em ser um banimento, uma limpeza energética e uma grande introdução a aspectos de invocação cabalista. Ele consiste em fazer a visualização dos pentagramas flamejantes e da cruz cabalista, dentro do templo do magista (entenda templo conforme preferir), além de invocar as forças divinas e os grandes arcanjos para a execução do ritual.

Sua força de vontade será também muito exercitada, uma vez que o ritual continuará "ativo" conforme sua força de vontade estiver mantendo-o forte. Lembrando também que aqui acontece a grande virada na chave do entendimento para alguns quando começam a perceber a grande diferença entre duas sentenças muito utilizadas na magia, Imaginação e visualização.

Para que o Ritual seja completo o magista precisa de fato visualizar e concretizar as formas criadas no plano astral, não apenas imaginar. Sempre botando o bom senso de que nem todos os iniciados no caminho vão conseguir essa pratica sem exercício, então uma dica valiosa é, entre fazer o ritual com a imaginação ou não fazer, fique com a primeira. Pois a pratica vai lhe levar a visualização.

Mais a frente, vocês verão que é necessário traçar os pentagramas usando as mão em forma de Kubera-Mudra, mas como uma dica que para mim foi muito útil, é substituir esse Mudra por um incenso. Pois a fumaça do incenso deixa um rastro, onde para mim facilitou muito na hora de aprender os exercícios de visualização. Fica claro aqui que é uma dica para aqueles que estão iniciando no caminho e ainda sentem dificuldade, não substituindo a importância de utilizar a posição de mão para a conclusão do ritual.

Outra dica para aqueles que já conseguem dominar o ritual, é acender uma vela ao terminar as invocações, assim firmando o ritual enquanto a vela queimar, ajudando também o inconsciente.

Mas vamos para o Ritual de fato:

Parte 1 — A Cruz Cabalista:

Tem de ser feita diante do seu altar ou caso ainda não possua, de frente sempre para o Leste simbolizando o oriente.

01 — Toque na sua testa pronunciando a palavra "ATEH" , com o dedo indicador e médio estendidos e os demais fechados. Imagine a luz divina descendo da grande coroa para o altar e para o magista;

02 — Toque na região do chakra sexual e pronuncie a palavra "MALKUTH", com a mão em forma de "figa". Aqui você visualiza a grande energia fecundadora do universo energizando todo o ambiente e seus pés ficando a base da Cruz. Visualizando também um pilar energético no centro do templo;

03 — Toque o ombro direito e diga “VE — GEBURAH”, com o dedo indicador e médio estendidos e os demais fechados. Assim visualizando um dos braços da cruz representando a severidade;

04 — Toque o ombro esquerdo e diga “VE — GEDULAH”, com o dedo indicador e médio estendidos e os demais fechados. Assim visualizando o outro braço da cruz representando a misericórdia;

Assim formando a estrutura da cruz cabalista no templo e altar do magista.

Parte 2 — Os Pentagramas:

01 — Aqui com as mão em forma de Kubera-Mudra, ( dedos indicadores, polegar e médios unidos como se segurasse um giz) trace a sua frente um pentagrama, iniciando sempre na ponta de terra em direção ao espirito, (podendo variar de acordo com necessidades) esse pentagrama queima em uma luz azul celeste muito forte. Ao centro do pentagrama visualize o primeiro nome de Deus "IHVH" inspirando e sentindo ele em todo o seu ser ao mesmo tempo que pronuncia o nome, pronuncia-se “Iod Rê Vav Rê”;

02 — De frente para o Sul, repita o processo anterior trocando o nome por “ADONAI”;

03 — De frente para o Oeste, repita o processo anterior trocando o nome por “EHEIEH” , pronuncia-se “É-Ré-Iée”;

04 — De frente para o Norte, repita o processo anterior trocando o nome por “AGLA”;

Procure sempre vibrar o nome enquanto pronuncia, para dar a entonação quase como um mantra, auxilia na hora de executar o ritual.

Parte 3 — A Invocação dos Arcanjos:

01— Na posição de Cruz (os braços abertos e os pés juntos), o estudante repetirá vibrando o nome de cada Arcanjo:

  1. “A minha frente RAPHAEL”
  2. “Atrás de mim GABRIEL”
  3. “A minha direita MICHAEL”
  4. “A minha esquerda URIEL”
  5. “Pois ao meu redor flamejam os Pentagramas”
  6. “E na coluna do meio, brilha a estrela de seis raios”

02 — Não se esqueça de visualizar cada Arcanjo em sua respectiva posição guardando o templo e o magista, assim também representando cada um dos elementos:

  1. Raphael — Ar
  2. Gabriel — Água
  3. Michael — Fogo
  4. Uriel — Terra

Assim o quinto elemento sendo o próprio magista representando o espirito.

03 — Quando o magista pronunciar “E na coluna do meio, brilha a estrela de seis raios”, ele deve visualizar um hexagrama em cima e outro em baixo do templo, e entre um e outro um grande tubo de energia se forma, banindo todo e qualquer mal. Os pentagramas ficaram ali enquanto sua vontade for capaz de manter a visualização.

Dica de ouro: para todos aqueles que estão começando, recomenda-se fazer esse ritual diariamente, se possível até duas vezes ao dia, quando acordar e quando for dormir, não sendo uma regra.

Espero que todos tenham gostado deste singelo texto, que trás algumas dicas sobre um dos rituais mais executado por magistas em toda parte. Fico aberto para responder qualquer duvida, e receber qualquer critica construtiva.

Fica aqui meus mais sinceros e fraternais votos de Paz Profunda, e muito Axé para todos.

Pierre Silva;
"A voz da sabedoria só se revela para os ouvidos do entendimento".