Ela se levantou como uma lesma que se arrasta sem pressa e apenas com a ambição de não ser esmagada pelo dia que começa. Um dia de cada vez. Vai até o banheiro e seus olhos verdes escuros estão um pouco mais claros e isso a faz sorrir sem que qq músculo do seu rosto de movimente. Ela pensa em desmarcar o compromisso, mas é o psquiatra e ficar sem receita pro calmante não parece uma boa idéia pra esses últimos tempos. Desde que começou a tomar o remédio, ela não fica mais muito muito triste, muito muito desesperada. Fica só um pouco. E também já não fica mais muito alegre, emocionada e nem gozar já goza mais.

Pensa em ligar para o médico mas de qq maneira precisa sair pra buscar a receita e só há 3 comprimidos na cartela. Ficar em casa só se for para ficar dormindo, quando ela sonha frequentemente com a avó. A avó já morreu e elas não se davam tão bem assim, mas nesses sonhos a vo a leva para passear, faz seu café da manhã.

Mas se não sair para ir ao médico, não tem cama e nem sofá, tem textos e daqui a pouco tem trabalho. E por isso ela escolhe uma roupa confortável, não penteia os cabelos, junta os textos (porque eles precisam ser carreagdoa nas costas o tempo inteiro), come um pão e sai. Óculos escuros sem grau para um dia sem sol e com menos definição e um sapato colorido para um dia cinza. Nos fones de ouvido o jornal da manhã e o mesmo percurso de sempre.

Ela caminha mais de 3 km pra chegar ao médico com a intenção de se sentir melhor. Fica apenas suada e com os pés assados. Escolheu a meia errada. Decide cantar no percurso mas a voz não está saindo boa hoje. Melhor voltar ouvir jornal.
Chega no médico e mente descaradamente o tempo inteiro. Ela queria remédios pra esquecer, pra sorrir, pra aguentar, pra acordar, mas disse que se sente ótima e que precisa apenas do calmante de sempre. Sai com diversas receitas e com a sensação de que não é capaz nem de mentir nesse mundo.

Com o dia longe de acabar, anda bem devagar olhando pro relógio para gastar o tempo, tem vontade de sentar e dormir, mas ainda há muitas coisas a cumprir.

Sua ambição é só terminar o dia viva e ela já venceu metade do dia. Já são duas da tarde.