Doeu o primeiro tiro.
Não mais que o segundo, pois este veio para terminar de arregaçar as fronteiras de quem ainda relutava.
Das quedas que sofri, o que mais doía era a aspereza do chão. Era olhar meu corpo sangrando todas as vezes que me levantava. Um dia tive que ir, até por compaixão ao coitado do meu corpo que já não sabia mais por onde se doer.
Mas o complicado da cicatriz é que ela deixa marca.
Sabe como é né? Ela vai fundo. Você sabe, tanto quanto eu. O foda da cicatriz é que ela é parte da gente.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Janari Oliveira’s story.