a falta da rotina

eu sempre reclamei sobre ter a rotina como sombra, que gruda em ti e te guia pra fazer x ou y e não te deixa respirar. sombra sufocante, que aperta o pescoço e até arranha (não de forma prazerosa, mas que machuca, que deixa marca dessas bem feia, que a gente esconde).
até que eu perdi minha rotina
e me perdi em mim mesmo.
troquei o dia pela noite e quando acordo tarde, ainda passo muito tempo na cama, sonhando, sorrindo e stalkeando vidas tais como as que eu sonho pra mim.
o almoço vira café, pra tentar acordar e deixa de pé.
2h depois tá tudo desgovernado. o sono ainda se faz presente. a preguiça aparece e as responsabilidades são deixadas de lado por mais um episódio de uma série de várias temporadas.
não sei mais criar rotinas.
não sei mais obedecer a pressão dessa sombra, pelo simples fato dessa rotina ser puramente maleável.
não é mais a rotina quem manda em mim. eu consigo mandar nela
e aí que mora o meu perigo.
me deixo levar por mim mesmo, pela voz na cabeça que diz “pra que fazer isso agora?” ou que acha que tem tempo suficiente pra mais 1 episódio (que acaba virando uma temporada).
eu preciso melhorar.
preciso parar de achar normal dormir às 5h, acordar às 14h e passar o dia vegetativo.
preciso tocar projetos que perturbam a minha cabeça e ainda me dão tesão e fogo de querer que eles saiam do papel.
preciso terminar os freelas já que reclamo tanto de não ter dinheiro.
preciso escrever um livro novo, viver a experiência de escrever, me alegrar com mais do que meias palavras escritas pro medium ou pro facebook.
preciso aprender: a fotografar, a me exercitar, a saber lidar com a vida acadêmica que eu escolhi pra mim.
preciso parar de ver produtos que eu nunca vou comprar e parar também de adicioná-los ao carrinho pra ver quanto custa o frete.
preciso deixar as séries como hobbie e não como fator principal de vivência.
preciso assistir a todos os filmes do oscar.
preciso terminar as temporadas de uma série antes que eu perca o tempo de teste do amazon prime.
preciso parar de ver vídeos da frigideira que não gruda da polishop.
preciso viver, sair de casa, redescobrir um fogo, olhar o mar.
preciso gravar vídeo, editar vídeo e voltar ao youtube pra ver se ao menos essa ideia para de me atormentar.
preciso lidar com a ansiedade da falta de um feedback de recrutamento de estágio.
preciso de play, de forward, chega de pause.
preciso escrever um TCC, pra isso preciso ler os teóricos chatos e suas palavras entojadas.
preciso publicar artigos, o inferno é achar lugar que aceite publicação de graduando.
preciso voltar a ler por prazer, ou minha mãe me mata por ter mais de 500 livros e não ter lido 1/3.
preciso que a rotina me esmague, me amasse, me dobre, me agarre pelo cabelo (que já tá crescendo desde quando eu raspei, por falta do que fazer).
preciso de direção, de aulas de volta e de pressão de corre de produção.
preciso de emprego, de dinheiro, de mais amor.

preciso de mais uma xícara de café
pra ver se acordo pra vida.