Corredores

O corredor da minha infância era enorme. Por ele percorri maratonas. Vivi aventuras junto a bonecos Comandos em Ação e seus jipes, mísseis e inimigos. Rabisquei suas paredes. Bati cabeça. Emburrei pra não tomar banho. Rasguei papel de parede. Briguei com minha irmã. Chorei. Bati. Apanhei. Algumas marcas, carrego até hoje. O corredor da minha infância foi de aprendizado, de fantasia, de soninho de mão dada na cama da mamãe. Foi campo de futebol. Foi parceiro de tabela e triangulação para o gol que decidiu o campeonato. Foi um corredor feliz demais.

O corredor da minha adolescência foi intenso. Viu revoltas, reclamações. Viu portas baterem para deixá-lo pra trás. Ouviu gritos. O corredor adolescente foi preguiçoso nas madrugadas escolares. Foi ágil entre a escola, o curso de inglês, a natação, a aula de reforço, o laboratório de ciências, a escolinha de futebol, as aulas de saxofone. O corredor pós puberdade viu os primeiros beijos. Foi ansioso para os amassos vespertinos quando não tinha mais ninguém em casa. Esteve trôpego nos primeiros goles alcoólicos. Foi madrugador nas primeiras baladinhas de final de semana. Viu nascer os primeiros amores. Viu crescer os primeiros desamores. Viu sofrer as primeiras desilusões. O corredor da minha adolescência foi alegre, responsável, descuidado e feliz demais.

O corredor da minha juventude foi apressado. Faculdade-estágio-estágio-bar-faculdade-curso-festa-novo estágio-bar-casa dos amigos-faculdade-estágio-festa-casa da namorada-estágio-bar-viagem-bar-estágio-festa-trabalho-trabalho-trabalho-trabalho. Viu as primeiras conquistas profissionais. Viu o tão sonhado diploma de curso superior. Viu mais amores. Viu mais brigas. Viu choro, raiva, carinho, amor. Viu corpos nus. Viu fantasias. Viu sonhos serem traçados. Viu sonhos serem despedaçados. Viu sonhos serem realizados. O corredor da minha juventude foi trajeto para malas. Foi um corredor para o mundo. E foi feliz pra caralho.

Agora parto para um novo corredor. Meu corredor da vida adulta é cheio de expectativas. Cheio de esperanças. Eternizado de amor. Ansioso por conquistas. E completo, repleto da certeza de que será ainda mais feliz.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.