É muito difícil encontrar a saída quando tudo é escuridão e você não tem pra onde ir. Você não sabe onde ir. Se “lá” existe. Se existe, tudo se resolveria? Você ficaria bem? Seria feliz? O que é felicidade? Um estado constante ou um momento breve?

Nesse instante eu sou um monte de lagrimas, que diria que são sem razão, mas eu enganaria so a mim, meu travesseiro ja está encharcado e peguei o computador pra escrever as coisas que minha cabeça insiste em criar. Eu não suporto mais essa inconstância. Esse vazio. A dor. É infelicidade toda parte do dia, é desanimo, angustia.

Você trabalha, se sustenta em pé e mantem a postura. Sorri o dia inteiro. Você sai com os amigos, na velha tentativa falha de se divertir, mas nem sempre acontece. Não satisfaz. As pessoas te acham animada. Se divertem com você e suas palhaçadas, mas mal sabem que por dentro eu to sangrando. E no primeiro momento sozinha, tudo que você montou desaba sobre seus pés. Você se desaba.

Não da pra viver assim. Eu vou ser sempre esse monte de caco. Essa tralha de emoções que me destrói a cada dia.

Esse final de semana eu me diverti de verdade. Fui feliz e nao me preocupei com o que os outros pensariam de mim, como sempre faço, mas acontece que agora é como se meu cérebro me obrigasse a ser infeliz. A sofrer.

“Você não merece ser feliz. Vem aqui, se deprima. Perca o rumo.”

Não faz sentido.

E eu só desejo que isso passe logo porque eu ja nao tenho mais estruturas pra aguentar. As colunas de sustentação estão fraquejando. E o prédio vai desabar a qualquer momento.

Eu só quero que isso acabe logo. Sem dor. Sem choro. Sem tristeza.

A single golf clap? Or a long standing ovation?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.