Querida faculdade de arquitetura, estou exausta.

Temos que dar um tempo.

Queria não ter que dizer isso, mas temos muito a conversar. Espero que deixe-me expor tudo que ando sentindo em nossa relação antes de você me mostrar projetos sensacionais e me levar na lábia novamente. Estamos terminando o nosso terceiro ano juntos e de um tempo pra cá você está me trazendo sensações negativas das quais não imaginei sentir em tanta intensidade durante nossa caminhada juntos. As suas vontades me sufocam, seus prazos e encontros estão me fazendo trilhar um caminho que não condizem com minhas expectativas de vida. Tive que abdicar muitos finais de semana de descanso, saídas com amigos, fazer alguma atividade física, acompanhar alguma série e até conviver menos com minha família só para satisfazer seus requisitos. Pensei que íamos nos encontrar durante as manhãs, talvez as tardes para realizar algum programa, e de noite ficaria livre para viver uma vida normal e saudável, me relacionando com outras pessoas, com outros assuntos e até comigo mesma. Ledo engano. Muitas vezes não soube o que era dormir de verdade por duas semanas consecutivas para te dar atenção, tendo que me submeter a tirar cochilos de 1 ou até 2 horas diárias. Isso é um relacionamento saudável pra você? Ando ansiosa, comendo todas as minhas unhas e até os meus dedos. E quando não tem mais dedo ou unha pra comer eu acabo indo pra geladeira ou pedindo fast food. Mesmo quando estamos de férias, tendo um espaço de tempo pra gente relaxar, fico pensativa sobre o que terei que fazer mais adiante para te satisfazer, às vezes não conseguindo ir dormir. Não existem referências para descrever como viver com você é puxado além do que eu imaginava. E sabe, você não pode me ter só pra ti... A sua necessidade por atenção e tamanha exclusividade está interferindo em toda a minha vida. E é por isso que precisamos dar um tempo.

Sei que relacionamentos não são perfeitos e todos possuem suas dificuldades, desentendimentos e sacrifícios às vezes, mas chegamos em um ponto que só de imaginar ter que ver você, me bate um desânimo, uma tristeza. Virou um fardo. As preocupações diárias relacionadas a você me levam a cair em um poço tão profundo que seria otimismo falar que ele possui fundo. Me decepcionei muito durante nossa relação e não estou com saúde mental para dar a cara a tapa e talvez me decepcionar mais.

Posso ter dito coisas pesadas durante esta carta, mas olha, você é incrível. Você tem assuntos complexos e divertidos, nos fazendo passear de um momento de super concentração à um momento de super descontração e criação. Pode ser difícil de acreditar que não estou falando isso só pra você não ficar triste, mas é verdade! Você me trouxe visões novas, percepções diferenciadas e me orientou a ter uma análise mais crítica de tudo. Me ensinou a observar mais e com mais qualidade. Me ensinou a ser mais criativa. Me ensinou coisas que nunca passaram pela minha cabeça que iria aprender, muito menos contigo. Hoje observo a vida, a cidade e as pessoas de forma diferente por causa de você. Mas esses aprendizados novos com você ficam por aqui. Não posso continuar contigo, pelo menos no momento. Preciso de um tempo para respirar, para fazer algumas outras coisas que eu goste, para viver um pouco sem você. Essa caminhada sozinha é importante para mim. Quem sabe no futuro a gente não se esbarra por aí, ambos mais maduros, e faça dar certo. Eu acredito nisso.

Com respeito (e amor),

Eu.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.