A Ansiedade e eu

Não julgu­e um ansioso. Ele não faz por mal. E tenha certeza: ele gostaria de viver a vida como as outras pessoas vivem.

Não deixe um ansioso esperando. Não marque um horário e demore para chegar, porque o ansioso se arrumará 1 hora antes para não deixar ninguém esperando.

Um ansioso quando não dorme bem, revira-se na cama e fica revirando o pensamento e se questionando o porquê de não estar dormindo bem. NINGUÉM quer viver ansioso!

Para facilitar o entendimento, vou tentar explicar como acontece:

Tudo pode está 100% bem, mas o ansioso não estará tranquilo. No fundo ele sente que algo está errado. Parece que a vida a qualquer momento vai acabar, o medo começa a aparecer. As preocupações se revezam, nem todas são terríveis, é claro. Eu sou ansiosa, e luto para tirar isso da minha mente, penso em outras coisas, tento me manter calma. Penso: “Hey, calma! Tá tudo bem!”. O problema é que é praticamente impossível se acalmar. Depois que passa, você quer com todas as suas forças ser alguém normal, que não passa por isso. Com o tempo a Ansiedade vira um muro e te separa do mundo e das pessoas com quem você convive. Seu mundo vira uma bolha de medo e preocupação. Eu tento conversar sobre isso, mas as pessoas não entendem. “Isso é psicológico” “Fica calma”… uma coisa importante: EU NÃO CONSIGO CONTROLAR A ANSIEDADE!!

Com o tempo eu fui entendendo que há momentos em que eu preciso de companhia, e em outros, quero estar só. Sei que é difícil de entender, não leve para o lado pessoal, por favor. Tente entender também que nem sempre eu sei o motivo da minha ansiedade, é algo emocional. Se eu pudesse desligar o interruptor da ansiedade, acredite, eu já teria feito isso. Em momento de crise, tente mostrar que você se importa.

Não, nem tudo é falta de Deus. Eu O tenho e sei que Ele passa comigo e me ajuda. Doenças não significam que você não tem Deus. Se assim fosse, fieis a Deus não adoeceriam… Cuidado com o que diz, com o que pensa. Palavras magoam. Não tente ser juiz de ninguém. Ame. Tente se colocar no lugar do outro, a empatia faz bem para quem tem e para quem a recebe.
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.