Servindo a Deus e julgando ao próximo…

Estou com 25 anos e embora a minha vida não esteja inteiramente como eu gostaria, devo confessar que me encontro em uma fase de estruturação e auto conhecimento que antes eu não tinha. Devo acrescentar aqui que não tenho a intenção de fazer desse espaço um diário escrevendo sobre minhas aventuras e/ou a falta delas, mas sim, um local para elucubrações e devaneios, que por vezes, me inquietam.

Ontem mesmo, estava eu olhando para o céu — que estava particularmente lindo para um dia de outono- quando comecei a pensar sobre a existência. Confesso fazer isso diariamente como uma espécie de terapia que me ajuda a entender, ou ao menos tentar passar por algumas situações de uma forma racional.

Pois bem, estava eu refletindo:

Como é possível viver de uma forma tão vazia e pequena habitando em um mundo tão rico e cheio de mistérios?!

Iniciei com essa pergunta, pois tenho lidado com uma pessoa que insiste em ver o que de pior existe em todos os seres humanos. Somos falhos, mesquinhos, egoístas e tendemos a uma auto-comiseração. Vencer todas as nossas mazelas internas não é algo fácil e vamos aprendendo a lidar com o “monstro” que habita em nós ao longo da vida, afinal, ela é um processo e processo traz mudança.

O problema que me remeteu a tudo isso foi lidar com esse ser que não conseguiu, não quer e não percebe que seu monstro tem se alimentado de todas as suas más intenções diárias, e tem o cegado ao ponto de não conseguir administrar o que sai de sua boca. Faço aqui um adendo, não acredito na perfeição de uma pessoa, temos tendência a falhar e é duro e ao mesmo tempo acalentador, quando percebemos isso.

Essa criatura olha todos com um olhar altivo, de apontamento e com um poder (auto imposto) de acusar, denegrir, difamar e menosprezar o outro. Quando me deparo com essa atitude e coloco-a ao lado do caráter de Cristo, não posso fazer outra coisa a não ser chorar. Sabe por quê? Porque muitas pessoas na igreja têm tido uma visão tão errada de Deus, de Jesus… o veem sempre como Acusador, Juiz, Carrasco; Cristo é tão maior e melhor do que imaginamos!

O caráter de Cristo nos molda sem ao menos O conhecermos pessoalmente. Paro para ler a Bíblia e vejo nela um Deus que ama o seu povo e por isso o instrui, mostrando os caminhos por onde devem andar e tudo isso de uma maneira didática.

Jesus ensinava a quem O seguia a pensar, os faziam refletir sobre seus atos, sobre o que queriam para si.

Vemos nas parábolas que Cristo instigava as pessoas. Ele não dava as respostas prontas, e as deixavam a vontade para provarem e o questionarem sobre o seu caráter. Agia sempre de forma surpreendente, amorosa, humilde, mansa. Sendo Deus, tornou-se carne, viveu entre os homens, padeceu as nossas dores e fez tudo isso por amor, conscientemente e sem reclamar.

Quem deixaria em sã consciência um reino, um pai, glória e majestade e se doaria para criaturas que nem ao menos agradeceriam o gesto? E pior ainda, tendo feito amigos nesse novo lar, esses mesmos amigos que passaram por momentos incríveis ao seu lado, quando Ele mais precisasse, O negariam, trairiam, desdenhariam e zombariam? Ainda assim valeria a pena? O plano deveria ser concretizado? SIM!!!!!

E foi o que Jesus fez, continuou com o plano de Salvação.

Como uma pessoa que conhece a Cristo ainda mantêm um caráter superior ao seu irmão ou ignora aos necessitados? Expõe o outro sem nenhuma compaixão e simplesmente não se importa com quem está ao seu lado? Será que essa pessoa conheceu a Cristo verdadeiramente?

Olhando para a criação de Deus eu só consigo enxergar a minha pequenez, o quanto eu não sou melhor do que ninguém. Infelizmente vivemos em uma sociedade classista, onde a pessoa vale o que ela tem. Sendo o Ter mais importante que o Ser, e é nessa troca de valores que a iniquidade aumenta, o amor diminui, a empatia não é sequer mencionada e a religião é tida como ópio do povo, como já dizia Marx.

Não concordo com esse pensamento, pois, quem vive o verdadeiro evangelho sabe como o Ide de Jesus realmente é, que o amor é uma virtude de quem possui a Cristo e se deixa ser movido e direcionado por Ele.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.