Carta aberta aos amigos verdadeiros


Quando começou essa onda de se expor em tópicos fui desafiada diversas vezes, por pessoas incríveis as quais considero muito. Relutei até aqui, mas decidi ser mais transparente do que nunca para tirar de mim qualquer peso que não me pertence mais.
Meus alunos sabem que meu estilo é mais discursivo porque facilita o entendimento das ideias e expõe os verdadeiros valores.
Estou disposta a enfrentar minha personalidade ampla e modesta em sua completude, na clareza da integridade. Terapeutas, agradeço eternamente. A boa da vez é que descobri o amor verdadeiro por mim, enfim. Me sinto uma mulher preparada para maiores desafios como jamais me pareceram tão possíveis e palpáveis.
Na infância, fui estudante no centro livre de artes do bosque dos buritis, um lugar que me traz recordações que parecem filmes em meu rico repertório pueril. Fiz tudo o que pude ali e minha paixão por todas as formas de arte certamente ganhou solidez nessa fase. A família tem sua semente plantada em minha personalidade com dons que herdei de cada um, tenho orgulho e gratidão por ter fundamentos que perduram até hoje. Morávamos atrás dos Correios, o que me
permitiu ser filatelista e correspondente de cartas com pessoas maravilhosas, era minha rede social. Eu escrevia com a mão, sim, era ótimo! Exercitava a musculatura e o pulso firme. Na pré adolescência o que mais me marcou foi o escotismo, uma filosofia que conscientiza cidadãos responsáveis e diverte aventureiros sem fronteiras, repletos de conceitos dignos que se leva por toda a vida. De lá, trago grandes lições, bons amigos e histórias pra contar. Quando colaborei como assistente de chefia, já adulta, percebi que gostaria de levar adiante todo o conhecimento que eu pudesse adquirir. Provavelmente raiz do meu viés acadêmico e a pretensão de me tornar escritora. Meu nome é Polliana, mas os apelidos são múltiplos e infinitos, me chame pela forma que ficar mais confortável pra você, minha polivalência aceita e curte essa variação.
A melhor viagem que fiz foi para passar férias no Reino Unido, me identifiquei com os modos de vida, com oportunidades culturais e com a facilidade com que um estrangeiro se desloca e transita sem maiores dificuldades. Tudo lá é construído de forma intuitiva, a favor da autonomia.
Sou encantada por animais, bebês e plantas. Acredito que cuidar e dar amor, sem querer nada em troca, é o melhor exercício para treinar nossa sensibilidade e refletir sobre o que realmente importa, a vida.
Sou apaixonada por Matheus e João Marcos, garotos lindos que me ensinaram a ser tia. Não experimentei algo mais sublime. Os filhos dos amigos pegam uma bela carona nessa minha habilidade.
O viés politico que mais me dói é a mobilidade urbana, porque gostaria de me mover com mais justiça social, menos individualismo, mais generosidade e segurança. Tenho muito o que lutar
em minha cidade para que essa área melhore, pra ficar ruim ainda falta muito. Se pudesse circular apenas de bike o faria, mas não é possível.

Admiro imensamente os profissionais que demonstram vocação em suas atividades, sejam quais forem. De um gestor de multinacional ou artesanal a um gestor de assepsia e coleta de resíduos. Pretendo chegar lá e serei uma eterna estudiosa para merecer tal plenitude.
Gosto de cozinhar para quem eu amo, seja família ou amigos. Tenho aprendido a fazer melhores escolhas e a saúde tem refletido. A propósito, tenho um joelho meio bichado desde que fiz judô e lesionei o lado esquerdo. Vira e mexe o bichinho dói e eu tenho que ser criativa na busca por mobilidade alternativa.
Estou determinada a ser mais atuante em minha luta pessoal e coletiva para ampliar portas e janelas de prosperidade para meus amados, minha comunidade e meu país. Fico muito feliz ao ver que este ano tenho 3 amigos especiais que se apresentaram como solução viável para
renovar as ideias da câmara de vereadores do meu município, uma urgência que me reveste de esperança em dias melhores.
Pode ser estranho em tempos de ódio e intolerância eu vir me apresentar, com sinceridade, sobre uma visão mais positiva das perspectivas abertas. Sou uma otimista incorrigível, as barreiras são transponíveis e as dificuldades turbinam minha determinação. Tudo depende da
consciência e ela está em nós.
Acredito em Deus, no meu coração ele é inclusivo, cuida das minorias e faz questão de permitir que a gente cresça diante das limitações. Acredito num Deus que é amor. Os julgamentos que fiquem em tribunais. Amo profundamente meus pais e irmãos, pensamos de forma diferente mas somos igualmente teimosos. Tenho profunda alegria de estar num momento de aprendizado onde mudei o curso da minha vida para estar perto deles, cuidando e zelando com amor, uma grande missão. Não preciso de reconhecimento, mas de respeito sempre. Sou neta de Geraldina e Osório, exemplos inesquecíveis de honra, trabalho, fé, perdão e amparo.
Acredito que a gente só pode melhorar o mundo em que vive se pensarmos com visão macro. A base está na educação, a estrutura no profundo respeito, os elementos internos devem ter ética
como essência e o acabamento é ser honesto a começar consigo mesmo, para que seja possível sentirmos paz e cultivarmos afetos duradouros. Recentemente transformei minha aparência através de obras de arte espalhadas pelo corpo, tatuagem foi mais uma forma de expressão, cada uma delas tem uma história e todas me completam.

Se você chegou até aqui é porque realmente se importa comigo. Gratidão por me dar sua mão
nessa nova etapa da minha vida. Primeiramente, fora Temer. Segundamente, que sorte eu tenho de ter grandes amigos. Agora senta que lá vem o principal. Sou designer por formação, fotógrafa por paixão, cinéfila por consequência e estudo lettering porque não consigo parar de criar novas formas de me expressar. Não me rotule, minha embalagem é a casca que já tem maturidade suficiente para a idade mental, que é bem mais jovem do que a cronologia diz. O que mais quero nesse momento é viver integralmente quem eu sou. Minaescriba foi a melhor junção de empoderadoras femininas que tive o privilégio de me integrar nos últimos tempos.
Quero amar sem medo. Quero que saibamos viver numa sociedade que aceite as diferenças, e que seja motivo de alegria o fato de que hoje eu amo uma mulher forte que me faz sentir viva.

Seja como for que seja com amor.

P!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.