O encontro, o desencontro, o reencontro, o final feliz.

Quando se trata de relacionamentos eu sempre tive esse questionamento: Como uma pessoa que antes eu nem conhecia, hoje é meu principal pensamento? Parte de amar alguém é isso: É ver o sentimento criar um passado que não existe, como se a pessoa houvesse participado de toda a sua vida e ainda suprir a falta de outras lembranças. Sim, é meio mágico. Mas quando você diz “Eu te amo” está fazendo uma promessa com o coração de outra pessoa. Deveriam honrar isso. E tem ainda aquele medo do olhar da pessoa. Medo de a pessoa olhar fixamente e de repente descobrir tudo o que se passa na minha cabeça. Nem dá pra exigir dos outros que entendam como eu me sinto, porque não passaram pelas mesmas experiências que eu. É fácil não dizer. Difícil é não sentir. Queria mostrar coisas. Queria dizer coisas. Temos os momentos simples com pessoas maravilhosas que são aqueles que a gente guarda a vida toda e fica querendo viver de novo. Meu medo e minha felicidade andam juntos. Quanto maior a felicidade maior o medo de tudo acabar. Minha última teoria é de que, talvez, o final feliz seja só seguir em frente.


Originally published at umadosedepolly.blogspot.com.br on November 13, 2015.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.