sobre este outro aqui …

Nasci em 1973 exatamente quando no Brasil a TV passou a ser em cores e sim, achava que antes disso o mundo era em Preto e Branco.

Foto: Arquivo pessoal

O tio de um amigo era lanterninha de cinema e logo cedo a imagem em movimento foi responsável (será?)por quatro "bombas" na sétima série e a partir daí o cinema e a imagem se tornaram paixão.

No início tentei ser químico, físico entre outras coisas miseráveis para uma pessoa que não sabe lidar com formas e números. Esqueci por um breve momento que a minha missão está ligada à criação de imagens e contar histórias e o fiz durante um bom tempo gravando de casamentos a festas infantis regadas de muitos agudos e doces.

Cheguei no limite e precisava fazer essa tal universidade. Em Belo Horizonte só existia um curso de cinema, este, de animação com prova de aptidão em desenho, um terror pra mim, porque entre inúmeras outras coisas no ensino fundamental o que não adquiri (ou neguei) foi essa tal coordenação motora.

O médico, na época, sugeriu para minha mãe a tal Ritalina, esta negada e que mais tarde veio como uma irmã chamada Rita (que não tem nada relacionado a anfetamina e sim a Santa Rita de Cássia) e também tenho mais dois irmãos estes, muitos especiais: Bruno e Robertinho.

Pois bem … resolvi fazer Publicidade e Propaganda, vendi meu corpo e alma trabalhando em algumas agências e decidi que estava indo pelo caminho errado, embora confortável e resolvi lecionar. Me especializei em Rádio, TV e Web e um Mestrado em gestão social, educação e desenvolvimento local.

Foto: Getty Images

Desde pequeno converso com a TV e o Rádio e achava estranho só aquelas coisas falando e eu sem interagir. Não sei porque o cinema é diferente porque nas salas não falava sozinho. Sei lá … acho uma coisa meio orgânica uma vez que sai uma luz de uma janelinha e projeta em uma superfície branca, vai saber…

Daí surge essa tal de Internet e tinha essa coisa de conversar e a pessoa do outro lado responder... depois vieram as fotos e os videos mas não permitia ainda trocar aquela ideia. O tempo passou, a coisa amadureceu junto comigo e começaram a surgir as tais imagens com interatividade. Pois bem … resolvi pesquisar sobre isso e levei para o Mestrado o projeto Webdocumentário: A formação crítica e a prática do trabalho em rede do documentarista social.

Na próxima semana completo uma década em sala de aula destes quase que exclusivamente na comunicação social e cinema. Há sete meses, em virtude destes novos e nefastos parâmetros no ensino de nosso país do que chamamos carinhosamente de Educação S/A o que é o oposto da chamada Pátria Educadora.

Deixei a sala de aula na universidade para me dedicar a projetos no ensino básico. Decidi começar a licenciatura em história e pedagogia.

Foto: arquivo pessoal

Junto a isso, decido dar um tempo de Belo Horizonte e desenvolver este trabalho com outras metodologias de ensino aprendizagem em uma pequena cidade de aproximadamente oito mil habitantes.

Foto: Álvaro Starling

Nesta mudança redescobri a fotografia still envolvendo: comunicação, memória, cinema, educação e claro, a fotografia …

Foto: arquivo pessoal

… entendo que a fotografia documental - ou fotodocumentário - como gênero, sai do lugar de um mero registro para uma tentativa de reflexão, compreensão e a representação da sociedade, seu tempo histórico …

Foto: arquivo pessoal

… e contribui na definição do real conceito de personagens sociais …

Foto: arquivo pessoal

… e a contar histórias de realidades locais que na maioria das vezes passam despercebidas ou não registradas pela mídia tradicional.

Junto a isso tudo sou pai de dois anjos: Luna que este ano forma em jornalismo - eu não tenho nada a ver com isso - e Pablo, 10 anos e fala em ser engenheiro (oremos!!!)

Compartilho as palavras de Eduardo Galeano resumindo um pouco tudo isso:

A utopia está lá no horizonte. Me aproximo dois passos, ela se afasta dois passos. Caminho dez passos e o horizonte corre dez passos. Por mais que eu caminhe, jamais alcançarei. Para que serve a utopia? Serve para isso: para que eu não deixe de caminhar.
Foto: arquivo pessoal

E por fim, alguns links de minhas produções e projetos:

Produção Audiovisual
Fotografia
Currículo

É isso! Caso você tenha algum projeto bacana ou um ideia para tal é só chamar.

Richardson Pontone

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.