Li as memórias de um "perdedor"…

Descrição da Imagem: Capa do livro Juca Kfouri — Confesso que perdi, livro de memórias publicado pela Companhia Das Letras

Nunca tinha lido um livro de memórias, biografia ou auto biografia, sei lá a categoria desse tipo de livro, só sei que estava de bobeira na livraria esperando a minha esposa e vi esse livro e na hora pensei: Eu conheço esse velho.


Você gosta de futebol? Você gosta de política? Você gosta de história?, se você respondeu sim para às qualquer uma delas, já vale a pena ler.

O livro é breve, a escrita é fácil, não tem nada de complexo ou sofisticado, é uma conversa gostosa daquelas que você senta apenas para ouvir.

Juca Kfouri me fez lembrar da infância, quando sentava ao lado do pai para assistir ele assistir o Cartão Verde na Tv Cultura, eu era pequeno não entendia quase nada do que se falava ali, só lembro do meu pai balançando a cabeça discordando ou dando risada das brigas entre os apresentadores e comentaristas.

As capas da Revista Placar, uma mais linda que a outra, lembro que meu irmão lia e até guardava uma com muito carinho, a do Romário, nosso ídolo. Romário que me fez amar o futebol, copa de 1994, foi lindo.

Ele foi diretor de redação da Playboy! O Juca! ele é o ser humano responsável pela maior e verdadeira desculpa para se comprar uma Playboy naqueles tempos: Só estou comprando pelas entrevistas! as entrevistas que eram gostosas, as mulheres… boas.

O Juca Kfouri é o nosso Eric Clapton, tocou ao lado de todos os grandes e também fez suas próprias composições aqui e acolá.

Quantas lindas memórias esse livro me trouxe de volta, obrigado pelas suas memórias velho Juca!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.