Contra o tempo

Antes de mais nada: Isso é uma história de amor (ou não) em cinco rápidos parágrafos. São, quase sempre, casos verídicos alterados de forma sutil para servir à proposta do blog. Os personagens e os ambientes são ou podem ser fictícios.

*****

Sérgio nunca tinha encontrado alguém como Helena. Ele namorou várias outras moças anteriormente, mas nenhuma delas era tão especial. No terceiro dia em que estavam juntos, ele já sabia que dali iria sair algo inesquecível.

Os dias na companhia dela eram magníficos. Se viam aos fins de semana e visitavam o cinema, exposições de arte, assistiam seriados, passeavam no parque e aproveitavam cada segundo das noites.

Isso fez com que Sérgio ficasse viciado nas boas emoções que Helena fazia ele sentir. Como não brigavam e tudo era quase perfeito, ele desejou que aqueles minutos fossem eternos. Que ao lado dela, pudesse viver e reviver aqueles domingos sem obrigações, apenas com a parte do lazer. Desejou tanto, que um certo dia viu diante de sua porta um pacote sem remetente nem referência de postagem. Dentro da embalagem, um relógio.

O aparelho era um portal misterioso que permitia que o tempo parasse no simples apertar de um botão. Para devolver a normalidade, bastava apertar novamente. Atrás, uma mensagem: “Aproveite”. Sérgio de fato aproveitou e esticou vários momentos quando julgava conveniente. Até que percebeu que poderia cansar de viver no mesmo minuto.

Um dia, contou empolgado a Helena sobre o relógio. Ela ficou horrorizada e se sentiu como uma escrava, incapaz de decidir se poderia ou não seguir em frente. Era domingo, como aqueles que o casal saboreou enquanto estava apaixonado. A briga foi grande demais e eles decidiram terminar. O problema é que quando Sérgio quis destravar o momento, o botão do relógio emperrou e eles foram obrigados a conviver para sempre naquele instante.

FIM.

Like what you read? Give Felipe Portes a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.