Diário de uma suicida | Dia 3

Estava aqui pensando, se 70% do nosso corpo é água, será que é possível se afogar na gente? Alguém já morreu de tanto chorar? Alguém já perdeu a capacidade de produzir lágrimas por chorar muito?

Passei muito tempo me preocupando se as pessoas iam me achar bonita, ou inteligente, na verdade inteligente, porque ninguém é e ninguém nunca vai ser, cheguei a conclusão de que não valia a pena o esforço. Engraçado que depois de adulto a gente tenha uns medos tão bobos se comparado ao desafio de ficar de pé pela primeira vez.

Ontem eu não estava bem, mas achei que novo amanhecer tinha como obrigação renovar as minhas esperanças. Bem, às vezes é isso que acontece, mas na maioria delas, como hoje, eu só lembro um pouco mais da dor de ontem. Não queria sair da cama. Queria sumir num mundo que haja todo amor do mundo, ou melhor, que não haja nenhum.

A única coisa que consigo pensar em fazer de diferente hoje é morrer. A única ideia que parece fazer sentido.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.