Tirar a venda

Estava aqui de boas pensando em como minha cintura poderia ser um pouco menos tendenciosa a acumular gordura. E talvez tenha me passado pela cabeça, depois de dar uma conferida básica no espelho, que meu nariz poderia ser um pouco menos largo, ou talvez, analisando os mais profundos abismos da minha personalidade, eu tenha o desejo de ser uma pessoa espirituosa de tiradas sarcásticas e inteligentes que deixam todos boquiabertos ao notarem como eu sou cool e espontâneo, fazendo-as me querer por perto nas festas de família para me usar como arma intelectual contra piadas chatas de tias bêbadas. Acho que é minha personalidade melancólica falando mais alto e dizendo que eu não sou bom o suficiente para mim, e já que nem eu me mereço, como outra pessoa poderia me merecer e querer dividir algum tempo comigo, um alguém tão cheio de desqualidades? Mas não sei, deve ser um mistério da vida, desses que nem Carl Sagan poderia explicar, que sempre alguém vai insistir em dizer que sua auto-percepção está equivocada através de um impensado gesto que é se interessar por você, ou por sua aparência disforme ou pela sua personalidade errante, ou sabe-se lá infernos por quê. O interessante e amedrontador fato do lance de se interessar por alguém, e sentir o interesse retribuído é que às vezes você entra em parafuso porque não sabe o quanto deve levar adiante isso. É o medo básico e instintivo que todo ser humano bípede do planeta Terra tem em se preservar. Porque será mesmo que aquela pessoa pode se interessar a tal ponto por você e suas insuficiências que ela continuará interessada ao te conhecer melhor e mais profundamente? Será que vocês vão se casar e ter filhos e um cachorro para brincar no quintal de sua casa maravilhosa que vocês vão comprar juntos? Bem, pode ser que sim e pode ser que não. Mas a chave do problema é também uma pergunta: QUAL É O PROBLEMA? Gente, não importa se vocês se conheceram, se gostaram, se beijaram e não têm interesse em continuar em uma relação estável pelos próximos cinquenta anos. Pode ser que dure três meses ou três semanas. Vocês tiveram uma experiência legal, mas simplesmente as personalidades não se batem, não dão um match perfeito em um Tinder ideal. Dói? Machuca sua autoestima e te faz questionar se o problema é que você não seja assim tão interessante quanto sua imagem aparente vendeu? Sim!!! Mas não adianta se lamentar e abraçar o travesseiro se debulhando em lágrimas de sofrimento como se a vida não fizesse sentido sem ter aquela pessoa do seu lado a te encher a bola murcha. Um dia acontece…

( O que acontece, gente?)

Acontece que um dia você estará amadurecido o suficiente para perceber que não precisa de um amor romântico para suprir suas necessidades básicas de atenção e afeto. Na verdade se você precisa de qualquer outra pessoa para se afirmar em sua completude humana, há um certo probleminha de auto-conhecimento aí. É tão mais ético (veja bem que não disse fácil) se aceitar antes e aprender a ver suas qualidades de uma forma que os rompimentos ou não-começos serão mais vistos como uma questão de incompatibilidade antes de serem tomados como uma ofensa à sua moral. Tá bem, você pode se esforçar ao máximo para tentar encaixar a outra pessoa na sua maneira de ser, pode questionar sua maneira de pensar e tentar ser mais flexível, ou tentar se colocar no fogo para moldar sua figura numa amálgama de pequenas coisinhas que você achou pelo caminho e que te fariam mais perceptível e agradável à maneira de ser da outra pessoa. Pode funcionar, não vou dizer que não pode. Porém, entretanto, todavia, acho que você deveria se fazer mais uma perguntinha básica: está sendo confortável para você mudar sua personalidade até aquele limite invisível em que suas ações se tornam operações automáticas realizadas em função dos desejos de outrem? Se a resposta for sim, pare para pensar um pouco mais. Se a resposta for não, seria mais saudável você se analisar um pouco mais e refletir que há alguém que não te faria sentir desconfortável toda vez que você age livremente de acordo com suas vontades, que pode gostar de você e te aceitar do jeitinho meio desclassificado e fora dos padrões que você é, que adoraria te conhecer melhor e te falar que não vai fazer um escândalo se um dia você decidir pintar seu cabelo de azul e sua sobrancelha de roxo ou menosprezar suas inseguranças e dizer que elas são tolas, talvez até tente entendê-las. Ficou curioso para conhecer? Vai no espelho e dê um oi. Tenta não julgar as gordurinhas acumuladas, ou o nariz de batata escovada, ou as piadas idiotas que a pessoa possa porventura fazer. Dê uma chance para vocês se conhecerem melhor, talvez não dê um match imediato, mas acho que um match pode ser conquistado aos poucos. Dentro do espelho encontramos o País das Maravilhas de Sermos Nós Desatados.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.