Sobre porquê o deixei

Me lembro a primeira vez que o vi, e fiquei sabendo sobre ele. Foi paixão no primeiro segundo.

Eu tinha certeza que o queria pelo resto da minha vida. Como uma paixão avassaladora ele consumia todas minhas horas. Eu amava analisá-lo. Renunciava qualquer convite, só para estudá-lo. Não o largava nunca. Nessa época eu tinha certeza do que eu queria. Eu terminaria a faculdade de relações públicas em Bauru e iria para Belo Horizonte atrás dele.

E lá fui eu. Meu primeiro ano em Belo Horizonte ficávamos juntos 24h por dia. Até acordar cedinho num sábado de manhã para encontrá-lo não era problema nenhum. Ele me apresentou pessoas maravilhosas que também o amavam. E com o passar do tempo eu fiquei especialista em entendê-lo. Tudo nele era fascinante, ele estava sempre em constante evolução e assim crescemos juntos. Fui até mesmo convidada para dar aula e compartilhar o que aprendi com ele. Como eu gostava daquilo! Ele fazia meus olhos brilharem e era um prazer para mim falar dele para as pessoas.

Com o tempo, ele foi ficando mais importante e ainda mais conhecido. E eu estava sempre ali, acompanhando seu crescimento, até que, quando olhei à minha volta, eu estava tão envolvida que tinha esquecido a mim mesma. Tinha esquecido quem eu era, o porque eu estava ali , quais eram meus hobbies, meus sonhos, meus desejos. Eu percebi que nem Belo Horizonte eu conhecia direito, meus amigos eram seus amigos também, eu não conhecia outras pessoas, só aquele universo. E aos poucos, aquele brilho nos olhos foi desaparecendo.

Eu confesso que tentei evitar, tentei redescobrir o amor que sentia por ele. Pedi um tempo, voltei. Mas não existia mais dentro de mim aquela vontade de continuar juntos.

Percebi que eu estava empurrando minha vida com a barriga, deixando levar. Era cômodo estar com ele. Eu sabia tudo sobre ele. Como eu poderia deixar essa relação tão intensa de lado e começar tudo outra vez sendo que eu sequer me conhecia?

E foi aos poucos que eu o fui deixando, mas sempre tinha alguém pra me lembrar dele, pra perguntar se ainda estávamos juntos. Então, decidi seguir meus sonhos e viajar pelo mundo e estudar outras culturas, outras historias que não o envolviam. Mesmo assim, nao terminamos. Seguimos. Nossa relação continuou por mais dois anos a distância. Quando ele me procurava eu queria sumir, dizer que eu não existia, mas eu não podia, precisava dele. Nos últimos meses, ele sumiu, não me procurou tanto como antes. E eu fui seguindo minha jornada, descobrindo que eu sabia fazer muitas coisas sem ter que me dedicar inteiramente para ele.

Pisei no Brasil e ele já voltou a aparecer na minha vida outra vez. Recentemente, tivemos uma última conversa no Skype e eu percebi que já não tínhamos mais nada em comum. Não estávamos na mesma sintonia. Nossa conversa não tinha a mesma fluidez. Eu não o conhecia como antes. Nada do que ele me falava ou me falavam dele fazia mais sentido pra mim.

E foi então que eu percebi que nossa relação tinha mesmo chegado ao fim, mas de um jeito muito natural. Aquele amor acabou, mas ficou a admiração, o respeito principalmente por nossos amigos e pessoas que o amam.

Ele, esse chamado marketing digital me ajudou a conhecer pessoas incríveis, me fez crescer e evoluir como pessoa e me ensinou muiiito! Sem ele eu não teria nem mesmo conseguido realizar meu sonhos. Mas eu entendo que é preciso ser honesta comigo mesmo e deixá-lo ir, por mais que ele sempre esteja batendo na minha porta querendo entrar novamente. Eu aprendi que nao é preciso fechar as portas, sempre que esse “safado” querer voltar, eu não preciso ficar com medo de uma recaída. Sei que nunca vamos sair da vida um do outro. Mas não precisamos viver e trabalhar juntos como antes.

Aceitar e saber a hora de deixar algo que para mim “era a única coisa que sabia” não foi fácil. Levou uns bons dois anos, mas agora que acabou eu me sinto livre e mais feliz. Só de pensar que eu tenho um mundo inteiro de novas possibilidades para recomeçar, já me faz estar pronta para abrir meu coração novamente para uma próxima relação. Seja ela duradoura ou não.

E sigo acreditando naquele ditado que diz: não fique bom naquilo que voce não quer continuar fazendo. Simples assim, como uma relação que encontrou seu final feliz.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.