Um Sonho Olímpico

(inspiração e homenagem ao campeão — medalha de prata — Diego Hypólito)

E hoje algo tocou fundo aqui dentro para que dedicasse algumas palavras em homenagem a emocionante realização do sonho do campeão Diego Hypólito.

Andreense nascido em 19 de Junho de 1986, Diego Matias Hypólito conheceu a ginástica artística aos sete anos de idade, por influencia da irmã e também ginasta Daniele Hypólito. Diego e a ginástica artística são um só há 23 anos. Suas primeiras medalhas e títulos vieram ainda na modalidade infantil.

Em 2001, aos 15 anos, o atleta iniciou sua carreira Júnior, acumulando diversas medalhas e conquistas. Dedicado, cheio de garra e foco, em 2002, durante a VI Edição dos Jogos da Juventude, Diego foi o medalhista da competição, conquistando sete medalhas individuais das sete medalhas disputáveis.

Campeonatos nacionais, pan-americanos, campeonatos mundiais, muitos títulos e medalhas. Uma carreira premiada e um sonho: uma medalha olímpica.

A primeira participação de Diego nos Jogos Olímpicos aconteceu em Pequim, na China em 2008. Ele era a grande aposta, vindo de duas medalhas de ouro nos campeonatos de Melbourne- Austrália (2005) e Stuttgart — Alemanha (2007), além de uma medalha de prata em Aarhus — Dinamarca (2006). Talvez por nervosismo, talvez por pressão ou por simplesmente cometer um erro na tal hora errada, Diego acabou por “cair de bunda” no tablado e se classificou apenas em 6º lugar.

Outros quatro anos de treino e dedicação e lá estava ele novamente, dessa vez nos Jogos Olímpicos, Londres 2012. As apostas, outra vez eram altas, e “dessa vez Diego não iria errar”. Mais uma vez, a pressão falou mais alto, o nervosismo tomou conta e o atleta acabou caindo novamente, dessa vez, “de cara no chão”.

Humilhado pelas falhas cometidas, suas lesões foram muito além de físicas. Essas tocaram profundo em sua alma e o atleta estava abalado.

Por um longo período, Diego viveu momentos muito difíceis.

Foram 15 meses de depressão, internação, perda brusca de peso. Além de detalhes como contrato encerrado com o clube onde permaneceu por muitos anos, assinatura de novos contratos. Decisões nem sempre são fáceis. Falhas nem sempre são bem aceitas.

Mas, Diego tinha um sonho: uma medalha olímpica.

Se há um sonho, não há porque desistir.

Havia uma linda esperança, pintada de verde e amarelo, as Olimpíadas RJ-Brasil 2016.

“Já aconteceu de tudo comigo, já tive depressão, já fui internado, voltei a ser medalhista em mundial. Foram muitos altos e baixos e isso mostra que todos nós temos o direito de errar.” Diego Hypólito

O domingo que marcou a história: Diego é prata nas Olimpíadas RJ — 2016

E foi no domingo, 14.08.2016 que a história de Diego nas Olimpíadas foi reescrita.

Aproximadamente 14:00hrs, horário de Brasília, iniciava na Arena Olímpica -RJ a competição final na modalidade ginástica artística — solo masculino.

Diego, o atleta de 30 anos, oito anos de treino dedicados aos jogos olímpicos estava lá representando nosso país, na “nossa casa”.

Muitos torciam pessoalmente e outros milhares acompanhavam esse momento pelos televisores em suas casas.

Diego foi o segundo ginasta a se apresentar e atingiu 15.533 pontos.

“Na última acrobacia me veio o filme de Pequim e nessa hora eu pensei: ´você treinou, você se dedicou, não deixe o seu trabalho ir por água abaixo, vai lá e faz.”. Diego Hypólito

Que apresentação linda, impecável e emocionante.

As lágrimas logo ali já começaram a rolar. Os atletas e repórteres narrando a competição, não conseguiam conter a emoção e a torcida.

Havia tanto envolvido, uma história, tanta superação.

A cada atleta que se apresentava, o coração de brasileiros e brasileiras, vibrava e torcia para que a nota de Diego Hypólito ainda fosse maior.

“Eu estava passando mal, muita ansiedade. Minha pressão caiu, comecei a ficar tonto e pensei que fosse desmaiar.” Diego Hypólito

Nove atletas competindo, três lugares no pódio.

Diego chorava, vibrava, torcia. Ele ainda “estava no pódio”, e ao lado de seu companheiro Arthur Mariano Nory. Teríamos dois brasileiros ganhando medalhas?

Mas era preciso aguardar pela participação dos atletas Kenzo Shirai — Japão e Samuel Mikulak — Estados Unidos, ambos fortes competidores.

Haja coração!

Kenzo Shirai se apresentou, mas não era o seu dia.

Faltava apenas um atleta e a confirmação.

Samuel Mikulak iniciava sua participação e todos estavam de olhos bem abertos acompanhando.

Hoje tinha que ser dia de Diego Hypólito no pódio.

Definitivamente, hoje também não era dia do atleta americano.

A prova estava finalizada.

Dobradinha brasileira, Diego Hypólito e Arthur Nory no pódio.

A felicidade tomava conta.

Diego vibrava, chorava, parecia não acreditar.

Arthur agradecia, celebrava.

A torcida festejava, gritava, pulava, comemorava.

Na Arena ou em casa, brasileiros e brasileiras estavam vivendo a mesma emoção. O pódio “era nosso”. Que honra acompanhar a história de dedicação e superação de um atleta e poder comemorar com ele, aquela prata quase que com gostinho de ouro.

“Todos aqui se dedicaram e abdicaram de muitas coisas que são importantes. Isso mostra para o nosso povo que a gente tem sim que sonhar alto. Muitas pessoas falaram que eu não poderia e só os meus esforços e Deus que diziam até onde eu ia, e eu nunca deixei de acreditar que eu podia, nunca. É uma sensação maravilhosa, inexplicável. Nunca desistam do sonho de vocês.” Diego Hypólito

Diego hoje, muito mais que campeão.

Um exemplo de determinação a ser seguido.

Diego hoje foi e é inspiração.

Não importa o quão distante pareça estar.

Não importa o quão difícil pareça ser chegar lá.

Não importa se há outros com mais facilidade e estrutura que hoje estão à sua frente.

Não importa que muitos te desencorajem e queiram lhe fazer desistir.

Não importa que uns e outros não acreditem em você.

Se você tem um sonho, se você acredita, se fará a diferença na sua vida e na sua história. Se é um desejo que vem de dentro e sua voz interior lhe diz que você precisa continuar. Siga, continue, faça, lute, persista.

Acima de tudo, acredite!

Acreditar é palavra de lei.

Se você acredita você pode e vai chegar lá.

Acredite em você, acredite nos seus sonhos e em sua capacidade de alcança-los.

Quando parecer difícil e nebuloso, inspire-se em histórias reais e de superação como essa de Diego, que hoje deu exemplo para o Brasil e para o mundo.

Cerque-se daqueles que acreditam em você e que sonham o seu sonho. Essas pessoas são as que realmente fazem diferença em nossas vidas e serão merecedoras de comemorar com você quando o sonho se tornar realidade.

Não duvide disso nem por um momento, acontecerá!

texto por Priscila Costa, tradutora, amante das letras e apaixonada

pela vida, cuidando de cada pequeno detalhe que possa inspirar e

tornar o caminhar mais cheio de magia e esperança.

Vivendo e inspirando a felicidade.

Instagram (@prisca_29costa) / Twitter (@rossettopri_29)