O que eu aprendi quando um texto meu viralizou na internet pela primeira vez
Fábio Melo
262

Eu gosto de escrever de forma anônima justamente porque eu não quero gastar muita energia com opiniões muito divergentes. Mas em alguns textos que publiquei tive que baixar o nível e comentar usando o mesmo baixo nível que usaram para me atacar. A minha ideia é escrever coisas sem ter o compromisso estrito de manter minha imagem na internet. Só o anonimato permite tamanha liberdade.

Sobre a questão de pessoas que atacam por ser machista, homofóbico e etc, eu digo uma coisa: foda-se. Os comentaristas de internet dificilmente acrescentam ao debate. A grande maioria apenas quer dizer algo para aparecer, para mostrar que falou algo importante e muito raramente temos pessoas realmente ativistas participando do debate de forma construtiva, com egos acalmados e com racionalismo na discussão. Odeio comentaristas de portal e de facebook. Odeio gente que tem opinião sobre tudo sem saber nada. Logo, não há problema em hostilizar a pessoa agressiva. Mantenha o nível do debate que o interlocutor estabelecer. Se vierem com flores, venha com flores. Se vierem com espadas, venha com uma espada.

Continue escrevendo, busque ter mais liberdade e tente não se podar pela patrulha do facebook que não cria nada mas adora destruir o que os outros criam (ou tenta usar sua obra para aparecer).

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.