Memórias que dão água na boca — Conheça a VóLia Quitutes Caseiros

Sabe aquela lembrança gostosa de infância? Da avó, avô, mãe ou pai na cozinha? Da família reunida preparando alguma receita, as crianças pedindo pra provar a massa crua, todo mundo enrolando e trançando roscas? Aquele cheiro de broa de fubá saindo do forno e do sabor do biscoito de polvinho que derrete na boca? É este tipo de sensação nostálgica que o nosso produtor deste mês, a VóLia Quitutes Caseiros, deseja transmitir para quem experimenta os seus produtos.

Tudo começou com a nutricionista Samantha Cardoso, dona de uma voz doce e com aquela tranquilidade de quem veio do interior. Na família de Araxá — MG, todos gostam de cozinhar. Foi numa dessas conversas, à beira do fogão de casa, que Samantha sonhou em montar a empresa pela primeira vez.

“Sempre gostei de cozinhar, mas a inspiração foi minha vó, D. Maria Cardoso (VóLia) que passou 20 dos seus 94 anos como quitandeira.”, conta Samantha emocionada.

Suas inspirações não param por aí! Durante o tempo que morou na França, a nutricionista aprendeu muito sobre gastronomia, o que a ajudou a criar releituras para suas quitandas. “Quando estava em Lille (cidade do norte da França), aprendi uma receita de rosca Croata e incorporei o modo de fazer aos sabores mineiros”, explica a nutricionista.

Hoje, os quitutes da VóLia tem como principal objetivo acionar a memória, o saudosismo e o afeto que essas preparações carregam para quem prova. Samantha ainda acrescenta: “Muitas pessoas se identificam, dizem que algumas receitas parecem com aquela que a vó ou a mãe faziam na infância. Muitos lembram da vida nas cidades do interior de Minas Gerais e alguns até se emocionam quando comem das nossas coisas.”

Outro objetivo é manter viva a tradição das quitandas mineiras, para que elas não se percam ao longo do tempo. Tudo é feito à mão, na cozinha da família, com ingredientes nobres e atenção máxima aos detalhes.

Das quitandas feitas na cozinha saem uma infinidade de biscoitos, broas, roscas, pães e outras delícias. “Gostamos de mesa farta”, explica Samatha.

Como as opções são muitas, fizemos uma lista de dicas do que você tem que experimentar amanhã em nossa feira:

Rosca Ouro Preto:

Releitura de uma rosca doce típica do leste Europeu, tradicionalmente servida na Páscoa e Natal. Antes da massa crescer é adicionada uma generosa camada de creme de avelã, que é incorporada como recheio da massa. Depois de assada, a rosca recebe uma camada de chocolate meio amargo como cobertura. 
O nome “Rosca Ouro Preto” é usado como referência ao relevo montanhoso da cidade histórica.

Broa de fubá:

O modo de preparação desta broa, faz com que ela — depois de pronta — dê um resultado em camadas. A parte mais clara, que fica por cima, tem aspecto de pudim, bem cremosa e suave. A parte debaixo tem o aspecto da broa que já conhecemos, super fofinha e com aquele gosto delicioso do queijo curado.

Biscoito de Polvilho com coco:

Tradicional receita das cidades do interior do estado, feito de maneira sequinha, quebradiça e saborosa.


Fica o convite para visitar o espaço da VóLia Quitutes Caseiros, amanhã, na nossa feira dos produtores do Experimente. Não perca!

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.