5 mitos sobre a maternidade substituta

A maternidade substituta é um processo complexo e controverso. Este método de tratamento da infertilidade é constantemente cercado por todos os tipos de mitos e declarações ambíguas. Na maioria dos casos, a atitude negativa em relação a esse tipo de parto é devido ao fato de que os opositores da tecnologia simplesmente não entendem completamente a essência do programa. Nós tentamos dissipar os equívocos mais populares sobre a maternidade substituta

Mito número 1. Conexão de mãe substituta e criança

Muitos acreditam que uma mulher deve dar seu próprio bebê, e muitas vezes o processo é comparado com o tráfico de crianças. Não há relação genética entre o substituto e o bebê. Tudo o que liga esses dois é nove meses de gestação. Células sexuais são retiradas de pais biológicos e são inserados dentro de uma mãe substituta. É por isso que todos os direitos da criança pertencem automaticamente a sua própria mãe e pai.

Mito número 2. A maternidade substituta está disponível apenas para os ricos.

O direito de se tornar pai ou mãe têm todos, e se todos os métodos são experimentados e a última esperança é uma maternidade substituta, vale a pena não perder essa chance. E aqui nem o bem-estar nem a conta no banco importam. Mesmo que o valor total dos serviços não esteja disponível, você pode pegar um empréstimo de um banco, pedir emprestado ou pedir a um parente próximo para se tornar uma mãe substituta do seu futuro bebê. Opções para resolver este problema serão sempre encontradas.

Mito número 3. Apenas alguem da família pode se tornar uma mãe substituta

Uma mãe de aluguel pode ser sua prima, mas isso não é um pré-requisito. Na maioria dos casos, uma mulher que está pronta para suportar um bebê é selecionada pela agência e não tem parentesco com os futuros pais. Tais relações são mais convenientes, você pagou por serviços e pode exigir o cumprimento dos compromissos. Com alguem da sua família pode ter problemas, mal entendidos, etc

Mito número. 4 Apego emocional da mãe substituta ao bebê

Antes de admitir uma mulher no programa, ela passa necessariamente por testes psicológicos e trabalha com o psicólogo. Isso torna possível determinar sua prontidão para o sommarinismo, a estabilidade emocional em situações difíceis. Especialistas montam candidatos corretamente, ajudam a perceber que a vida vai surgir dentro, o que não tem nada a ver com o corpo de sub-rogação. Ela foi temporariamente confiada à criança e ela deve devolvê-la aos pais intacta.

Mito número 5 Mãe de aluguel não se importa com o bebê e não segue o modo correto de gravidez

Os futuros pais estão sempre preocupados sobre como uma criança se sente no ventre da barriga de aluguel, se ela se importa com o bebê, se não faz mal ao bebê . Para começar o curso da gravidez é constantemente monitorado por especialistas e sob o contrato de sub-rogação é obrigado cumprir todas as instruções do médico. No final, a mãe de aluguel também é mãe, tem seus próprios filhos, e se ela faz esse passo, ela sabe valorizar a vida humana e não pode machucá-la.
 
Mais artigos interessantes e úteis podem ser encontrados em nosso blog: vittoriavita.com.br/noticias