Sem título

O meu coração se enche de alegria com o raiar de um novo dia. Que linda oportunidade Deus coloca nas nossas mãos a cada novo amanhecer. O sopro de renovação de uma nova aurora traz consigo sempre uma oportunidade de recomeçar.

Para todos, o sol há sempre de brilhar por mais um dia. Mesmo quando as nuvens escondem a sua força e seu brilho, ele está lá, exatamente igual para todos. Esse astro celeste nos ensina que o amor de Deus não enxerga as tantas diferenças que nós insistimos em criar para nos separar uns dos outros. Esse sol, que é o mesmo sempre, mas parece ser um novo a cada dia, tem a força e a beleza que necessitamos quando é preciso se reerguer. Além de ser exemplo, sua energia é alimento para o nosso viver.

E de noite temos a lua, para nos lembrar que também é preciso recolher, olhar para dentro, amar profundamente o nosso interior. Nesse movimento de dia e noite, a vida segue. Linda e desafiadora. Alegre e por vezes dolorida. Tem dias em que tudo flui, há noites em que somos somente gratidão. Em outros dias nos deparamos com problemas e a noite torna-se preocupação. É um movimento natural da vida no planeta terra. Precisamos aprender a navegar nessas águas, regidas pelas emoções profundas que a lua traz. Mas cristalinas quando o sol vem.

As águas da vida, assim como o mar, tem marés. É preciso conhecê-las, a elas e a nós. Nem sempre conseguimos enxergar o fundo com clareza. Às vezes a água está turva, em outras, peixes vem nos visitar e o verde é de encantar. Em todo esse movimento, não podemos nos apegar.

Se tudo vai e vem, se a vida é um fluxo contínuo, a única certeza que temos é da permanência do amor. A essência é a única coisa dessa vida que ficará para sempre e ela é amor. A ressaca do mar pode levar tudo, pode transformar, mas há sempre algo em nós que fica. Há sempre algo em nós que une. Esse é o nosso ser verdadeiro, nele precisamos nos focar. Não nas marés, somente no amor.

E quando tudo isso passar, o que há de ficar? Assim é que devo pensar. Ai estão as respostas que tanto buscamos. E só conseguimos acessá-las quando mergulhamos nesse mar da vida, quando seguimos as marés, mas sabemos que não somos elas. Quando vivemos o impermanente com a mais pura entrega, mas também com a mais pura consciência de que tudo isso passará.

Não importa se a maré é boa ou ruim, qual é a cor da água e nem mesmo se hoje você não tem vontade de mergulhar. Guarda no seu coração a certeza de que o que nossos sentidos hoje são capazes de alcançar, não corresponde a nem 1% do que é a vida. É preciso todos os dias manter a firmeza nessa verdade: vemos quase nada, sabemos muito pouco e nossos sentimentos são guias de um navegante na mais completa escuridão.

Se hoje a dor corroí, lembra que é apenas a cegueira dos sentidos, incapazes de ver que só existe amor. Se hoje a felicidade impera, guarda o que desse momento está conectado à essência, porque o resto também passa.

O crescimento vivenciado no meio disso tudo permanece. Cada aprendizado, cada reconexão, cada ponto que religamos a outro, os sorrisos mais sinceros e as lágrimas de gratidão. No mais, deixe ir e o novo virá. Deixe fluir e você despertará.

19/06/2017 - Médium: Isabella Pedreira

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.