Primeiro de Maio é Nas Ruas e Nas Lutas!

Lutar para barrar as reformas, lutar pelo Fora Temer, lutar pela união e vitória da classe trabalhadora.

Hoje é 1° de Maio, Dia dos Trabalhadores, que em 28 de abril tomaram as ruas deste país e construíram uma das maiores greves e manifestações de massa dos últimos anos contra a política de austeridade e retirada de direitos praticada por Temer e a quadrilha que o apoia na Câmara e no Senado.

Em Bauru não foi diferente. Tivemos uma das maiores greves gerais da história com manifestação, reunindo mais de 10 mil pessoas e diversas categorias da cidade. No país inteiro, os trabalhadores do transporte (ônibus, metrô e trem) pararam. Os professores pararam. Os bancários pararam. Muitas fábricas metalúrgicas do ABC e de São Paulo pararam. Em São Paulo os bloqueios não funcionaram(e a PM de São Paulo atesta isso), porque não havia congestionamento, por um motivo simples: os trabalhadores, inclusive os que vão de carro ao trabalho, aderiram à greve! Por isso não havia engarrafamentos e o trânsito fluiu normalmente. Em Bauru, em todo estado e em todo país, a classe trabalhadora aderiu a greve em defesa dos direitos e das reivindicações.

A nota de Temer sobre o dia 28 traduz todo o medo que ele e a burguesia possuem da classe trabalhadora, sendo amplamente divulgada pela imprensa com o intuito de desqualificar a greve geral e as grandes manifestações ocorridas em todo o país. O medo da burguesia é bem real.

Neste Primeiro de Maio, a luta continuará no ato unificado que será realizado no vão livre do MASP em São Paulo. O governo ditatorial de Dória pretende proibir o ato, medida que integra o arsenal de repressão do Estado contra a classe trabalhadora e que não aceitaremos. O caminho que vários sindicatos já tomaram, inclusive em Bauru, o que contribuiu de forma decisiva para o sucesso da greve geral e do ato unificado mostra o que deve ser feito: a greve para que as reivindicações sejam atendidas. Mais que isso, é preciso dar palavra à base, é preciso dar à base o direito de decidir o seu próprio movimento.

Por isso, o PSOL de Bauru se associa ao chamamento para a realização de um grande Encontro Nacional da Classe Trabalhadora, que reúna todos os sindicatos, as centrais, todos os movimentos sociais e decida o que fazer para botar pra fora Temer e o Congresso, para barrar suas reformas, e construir uma alternativa revolucionária para saída da crise. Só com a união de toda classe trabalhadora é possível construir uma alternativa.

Por um 1° de maio de lutas e conquistas! Viva a classe trabalhadora!

Diretório Municipal do PSOL Bauru, 01 de maio de 2017