Moça, o que você quer?

Era noite, depois de um dia corrido, a gente se encontrou meio sem querer. Na minha cabeça, abarrotada por trabalho, planos do fim de semana, ligação importante, date, escrever um texto…. passavam spoilers do que eu ainda tinha que fazer antes que o dia terminasse. E foi nessa hora que ele olhou profundamente nos meus olhos e me surpreendeu com a pergunta mais difícil pra mim naquele momento: O que você quer?

Fiz uma pausa, respirei fundo. Passou um filme rápido de tudo que ainda tinha pra viver. Queria viajar muito ainda, saborear todos os cantinhos da Itália, viver um amor enlouquecido por ali no Mediterrâneo ou, quem sabe, em Bali. Tirar um sabático a cada 2 anos pra mergulhar em uma nova cultura e viver como se fosse a minha.

Também pensei em dizer meus planos de negócio que podiam, ou não, incluir o dono daquele olhar firme. Quem sabe ele também tem algum plano B?

Passou pela minha cabeça dizer a ele o quanto gosto daquela combinação: vinho, enrolar um cigarro e uma boa conversa. Pensei em falar que na lista dos filmes, que ainda estão em “pra assistir um dia” tem O Regresso, Clube da Luta (de novo), Interestelar…e por aí vai e pensei em falar sobre tudo que ainda quero escutar, desde músicas até alguns elogios.

Queria contar sobre a casa que planejo ter daqui alguns anos, com vista para um futuro melhor e um jardim grande pra Nina, a cachorra (por enquanto só imaginária) correr livremente . Pensei até em abordar o assunto filhos. Apesar de gostar de família grande, tudo bem se for um só, mas quero um filho gente fina, prometo não por roupa cafona, matricular no esporte e ensinar o mínimo de senso musical pra não passar vergonha.

De repente, todos os meus planos foram interrompidos quando ele me fez de novo a pergunta, dessa vez um pouco impaciente: “E aí, moça decidiu o que vai querer hoje?”. Eu, logo de volta a realidade, respondi: “Ah! Quero só 200g de muzzarela, por favor.” Um alívio pra fila do supermercado que continuou fazendo seus pedidos normalmente.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.