Alguém igual a você

Acho que devo falar sobre Ana Clara, ela foi importante pra mim. Na verdade ela foi muito mais importante do que eu gosto de assumir.

Foi no aniversário de 25 anos da Alexia que nos conhecemos. Não lembro exatamente como começou a conversa, provavelmente eu tinha bebido um pouco mais do que pretendia e isso acaba prejudicando minha memória, o que era bem normal de acontecer nas reuniões que Alexia dava, afinal, modelos solteiras e eu.

— Você que é o amigo fumante da Alexia? Estão pedindo o isqueiro pra vela parabéns


— Alexia, eu sei que é seu aniversário, mas me tira uma dúvida?

— Be… Eu tô meio louca, vai ter que apontar pra pessoa

— Aquela ali de cabelo vermelho e cara de bitch

Foi terminar a frase que Alexia gritou no meio da festa “Aninha, vem cá sua linda, deixa eu te apresentar meu amigo”, se eu fosse tímido ou me importasse com certeza ficaria bem envergonhado.

— Aninha, esse é o Bril… Digo, Bernardo, ele é mara miga. Amigo meu e do Beto. Cara super gente boa

Houve um sorriso meio amarelo, aquele desconforto de todos os envolvidos, menos Alexia que estava bêbada

— Ale, deixa eu descer pra fumar, depois conheço seu amigo, prometo

— Também vou descer pra fumar, se importa se pegarmos o mesmo elevador?

— Isso foi forçado…

— Não, isso é vício mesmo


— O que você perguntou pra Ale sobre mim?

— Seu nome e boas referências

— Faltou coragem pra vir falar comigo?

Das duas uma: Ela sabia apertar meu botões muito de cara e estava olhando pra minha versão de saia e peitos grandes ou ela queria saber quais ou meus botões pra me intimidar. De qualquer forma eu decidi ficar um pouco mais pra ver qual das opções era

— Não foi falta de coragem, foi não saber como chegar e puxar assunto

— Estar numa festa cheia de modelos intimida você?

E foi o botão certo, ela não precisava apertar esse, mas ela quis

— Na verdade meu problema não é com futilidade de vocês modelos, é que não estou com o catálogo na mão, então não sei quanto cada uma cobra

— Nem todas são putas, se quiser posso te apontar quais fazem programa pra economizar o meu tempo aqui e o seu de procurar

— Não não, por favor, não me tire a alegria de perguntar uma por uma só pelo prazer e risco de receber um tapa na cara

— Só uma dica, nenhuma morena faz. Tenha certeza

— Entendi a indireta, mas pode deixar que vou nas loiras. Por sinal tem uma que parece ser bem flexível

— Dyana? Pelo tanto de cocaína que aquela garota cheira estamos todas surpresas que ainda esteja viva

— Flexível e ainda cheira pó? Essa mesmo que eu quero!

Um silêncio breve pra cada um tragar seu respectivo cigarro e ela continuou

— A ruiva de cabelo curto e cruz tatuada no braço? Ela tem daddy issues, sua barba será um gatilho e você comerá fácil. Tem a Talita também, mas eu jamais encostaria um dedo naquele cabelo nojento dela, mina suja aquela

— Tem alguém que você realmente me recomenda?

— Olha querido, tem duas meninas, mas uma delas está aqui fumando com você e a outra é namorada do seu amigo, então sua jornada, seu problema

— Vai continuar me atacando ou vou ter que revidar de novo?

— O que te faz pensar que você teria coragem de me atacar? No máximo você é um respondão

Dois podem dançar a mesma música…

— … especialmente quando os dois sabem o que fazer

— Jung?

— Eu mesmo

— Sobrenome…?

— Tavares, Bernardo Tavares

— Você que é o Brilhante? -numa clara expressão de surpresa- É você?

— Algum motivo específico pra saber?

— Cara… Desculpa mesmo, Alexia comentou que tinha um amigo do Éberton com a cabeça meio fodida e que era pr…

— Cabeça o quê? -interrompendo- Minha cabeça é o quê?

— Desculpa eu não queria ofender

— É fácil se desculpar pra cachorro morto depois que chutou não é?

— Desculpa cara, não queria mesmo

— Façamos o seguinte, pare com essa merda de pena e continue sendo essa bitch que eu gostei. Alguma das meninas já engravidou de fotógrafo ou algo do tipo?

— …

— Ah… Agora a consciência pesou? Poxa… Logo agora que a dança estava interessante… Uma pena -apagando o cigarro no chão com o pé esquerdo- você tem um puta potencial se deixasse essa coisa de culpa de lado. Já pensou em ser modelo alternativa? Sua expressão ajudaria bastante

— Isso é um elogio?

— O mais sincero de todos


— Alexia, gostei da Aninha, me passa depois o telefone dela?

— Eu tô bêbada demais pra cafetinar amiga

— Depois…

— Deixa eu vomitar primeiro que te ajudo com aquela vadia

E foi terminar a frase que Alexia gritou algo e voltou pras amigas, não conseguiria mais nada aquela noite, mas também não tinha a intenção de uma foda fácil assim


— Ei, Bernardo, você já vai?

— Por quê?

— Se você for, vamos comer ali no podrão? Eu pago o seu como desculpas

— Você quer ir no podrão, mas com medo de andar sozinha e não tem ninguém com condições pra te acompanhar?

— Eu quero pegar você na escadaria mesmo

— Como desculpas?

— O boquete é como desculpas, o resto é porque eu gostei de você mesmo

— Vamos continuar nas farpas?

— Se quiser podemos trocar farpas por línguas, que tal?

Foi um primeiro encontro e tanto não?