Cigarros e empatia

Tentar ensinar empatia para um sociopata é como tentar ensilar um urso a tocar violão. Se você quiser tentar não acho que alguém irá te impedir.


É claro que eu sou capaz de sentir emoções como raiva e fome (fome é uma emoção? fui ensinado que sim). E se a metáfora não é muito boa peço perdão, não sou bom com essa linguagem metafórica e muito subjetiva.


Beatriz uma vez falou uma metáfora que acabei decorando por achar tão fascinante, estúpida, sem nexo e morfologicamente falando genial.

“Você costuma colorir os poemas que eu escrevo”

Até hoje eu não entendi direito o que ela queria dizer com isso. Beatriz costumava falar coisas que eu não entendia logo de primeira, mas sempre me explicava de forma clara.


— Eu que deveria matar você, não o cigarro

— Quem te apresentou Bukowski?

— Sou uma garota inteligente e posso descobrir coisas sozinhas sabia?

— Você é a garota mais inteligente de todas

— Vai dizer agora que é porque eu estou com você e te amo e toda aquela baboseira que homem fala?

— Estou elogiando o intelecto da minha mulher e só isso

Um silêncio leve e uma tragada aconteceram

— Você me chamou de sua mulher?

— Não posso?

Beatriz quis sentar no meu colo mas a cadeira não aguentaria o peso de ambos, então pediu um abraço estendendo os braços com o rosto todo corado de vergonha

— Também amo você. Só cuidado com o cigarro porque não quero te queimar. Melhor, deixa eu colocar ele no cinzeiro pelo menos

— Posso pegar um cigarro seu?

— Quem deveria te mat…

— Eu odeio quando você repete o que eu digo e me dê um cigarro agora!

— Você sempre ficou charmosa fumando sabia? E também tenho medo que nessas tragadas esporádicas você acabe pegando meu vício

— Eu sei


Quando terminamos liguei pra Beatriz só pra avisar que algumas coisas minhas ainda estavam com ela

— Não achei um colar meu e também não achei meus livros, estão com você certo?

— Hurum

— Oi? Não entendi

— Desculpa, tava pegando um cigarro. Sim, separei tudo já pra quando vier buscar

— Então você começou a fumar mesmo? Tanta coisa boa que podia ter pego meu e foi logo pegar a merda do meu vício…

— É, acontece

— Devo passar por aí na sexta, se não no máximo sábado pela manhã vou só pra pegar tudo de uma vez

— Vou sentir saudades das suas blusas de frio

— Eu sei

Ficou um silêncio tão desconfortável por alguns segundos que eu falei a primeira coisa que passou pela minha cabeça

— Eu ainda vou amar você por um tempo

— É uma das coisas que teremos de lidar com o tempo

— Teremos? Isso é uma coisa minha, você não precisará lidar com isso de forma alguma!

— Eu já fui sua garota e quase fui sua mulher sem contar que fumamos o mesmo cigarro. Acredite, nós dois teremos de lidar.

E foi naquele momento que ambos foram ao chão de uma vez só e desligamos sem falar mais nada.

Like what you read? Give Pedro Victor Ramos a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.