Imagem: True Detective

Random, a ficção III

— — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — —

Random é um exercício de escrita.

Sorteio uma ou uma série de palavras usando um aleatorizador. Para escrever uso um aplicativo que, caso não se escreva nada em cinco segundos, apaga tudo o que foi escrito até então. Faço sessões de cinco minutos de escrita ininterrupta, aumento, finalizo e edito o texto, e o publico.

aplicativo de escrita: http://www.themostdangerouswritingapp.com/

— — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — — —

Palavras: Bible, web, circus, treed, noble, arsonist

Não foi sem um pouco de medo que José entregou sua bíblia para o homem que lhe estendeu a mão. Estavam em algum lugar do interior do estado, não sabia bem onde, e logo da chegada na cidadezinha essa, que ele não sabia bem qual era, se enfurnaram mais ainda. O tio tinha algumas direções num pedaço de papel, nem por sorte o GPS funcionaria aqui, é o fim do mundo. É onde Judas perdeu as botas, as meias, as unhas e limou os calos dos pés, depois de tanto andar e depois de tanto remorso.

Encontraram o local com a ajuda de deus, só podia. O senhor guiara os seus passos — os pneus, no caso — e ajudava um pouco enxergar bem. Foi José que viu, de longe, a tenda armada. Era uma tenda de circo, quase. Duas cores, montada bem alta em uma estrutura de metal, um esqueleto que lhe segurava imponente apontando para o céu. Foram para lá, o carro fazendo sulcos na grama meio molhada. Chegaram, cumprimentos de cabeça, se sentaram ao fundo do espetáculo. Era o que dizia o folheto, um espetáculo para deus.

Debaixo da tenda era bem diferente. Do lado de fora, campo com pedras, e manchas de onde haviam posto fogo para que a grama viesse mais rápido, ou algo assim. Coivara, não era o nome disso? Mas debaixo da tenda havia árvores! Um capão de mato bastante denso, umas quantas plantas — em potes, é verdade — mas isso não fazia menos da aparência de oásis. Toda igreja é um oásis. Da vez que fora ao Rio de Janeiro e entrara naquela igreja que está bem no centro que tivera isso mais claro. Do lado de fora, o caos da urbe e, dois passos pra dentro da tina de água benta, uma parede de silêncio se interpunha e deixava o caos, a degradação, o Saara e suas tendas de óculos Ray Ban e, com sorte, seus beduínos, do lado de fora.

Na entrada da tenda deixaram celulares e carteiras, não havia espaço para o mundano. Um homem que apareceu e lhe pediu a bíblia encerrava jeitos de líder. Mãos bem grandes, a aliança única de homem casado e as unhas cortadas rentes à carne da ponta dos dedos, talvez rentes demais. Entregou a bíblia sem saber discordar das unhas. Aquelas unhas continham o sofrimento e a redenção. Aquela era a mão de um homem que imitava o caminho de Jesus Cristo até na sua higiene pessoal. O clipe do cortador rasgava as carnes, a cada quinze dias uma via crucis.
Assim que lhe entregou o livro, esse homem caminhou até a frente do público. Caminhou para o altar e para o palco, era o mesmo. Uma moça trouxe um microfone e o show começou. Pôs a bíblia de José num monte, onde havia mais tantas. Com o microfone longe demais da boca para que José entendesse o que dizia, começou sua pregação.Três homens passaram por José e por seu tio, que estavam determinados a pescar alguma palavra que o orador cuspia debaixo da tenda lotada, e fecharam um zíper do nylon grosso, aumentando assim a sensação de oásis.

Os ânimos do orador e dos fiéis se alimentavam mutuamente, quanto mais se inflamava o homem que gritava coisas incompreensíveis de deus, mais resposta dos fiéis e, conforme se exaltavam, menos e menos entendiam José e seu tio, e, à medida que iam entendendo menos, mais iam se envolvendo, e mais suavam, e se viram com as mãos para o céu.
Deus estava aqui, deus pedira minha bíblia e fizera dela e das outras uma fogueira. A fogueira acordara as palavras do livro, e as palavras estavam vivas, e flutuavam como pequenos pedaços incandescentes de fé em brasa, e a língua do espírito santo lambeu o teto da tenda, que veio abaixo num estrondo e, num rugido, transformou tudo numa fogueira santa e maravilhosa. Quanta luz, quanto calor. Na fumaça, José voltou a si, se virou para abrir o caminho do nylon com dois tons de azul, completar a profecia do seu nome. O golfo de oxigênio que entrou da fenda reacendeu a fome do espírito de chama; foi o ânimo que fez com que o fogo abocanhasse seu tio. José se arrastou pra fora do oásis, nunca quis tanto estar longe da face de deus.