Mais magra, mas ainda gorda

Desde tudo que escrevi aqui resolvi fazer uma mudança drástica em minha vida.

1/10/2016 foi o dia em que eu humilhantemente entalei na roleta de um ônibus lotado e decidi que nada mais seria como antes.

Hoje, 3 meses depois fui à nutricionista e descobri que estou 21 kg mais magra e com 10cm a menos na cintura, 3cm a menos no pescoço e 12cm a menos no busto, só pra citar algumas das reduções de medida. Já estou usando calça jeans, blusas mais justas, os joelhos doem bem menos, a coluna idem e tenho tido mais disposição.

Apesar de tudo, a mudança mais drástica foi nos meus hábitos. Tenho praticado caminhadas e hidroginástica, tenho comido sem açucar, gordura e tenho seguido os horários da alimentação. Minha mesa antes vivia cheia de farelos de guloseimas e agora está sempre limpinha. Minha bolsa vivia cheia de papel de lanchonete, pacote de biscoito, sorvete e agora vive vazia. A compulsão ainda bate às vezes, tem dias que ela quer me enlouquecer, mas num geral eu tenho conseguido segurar a onda.

Estou feliz? É CLARO. Por mais que seja muito óbvio que quis e precisei emagrecer pela saúde, principalmente a saúde dos meus ossos, eu quis emagrecer pela estética também, jamais serei hipócrita de negar isso. Eu me achava feia, inadequada, incapaz de ser amada e outras cositas mais. Ainda me acho um pouco disso tudo, mas a cada dia consigo ver algo bonito em mim. O rosto afinando, a “saboneteira” aparecendo, a cintura ficando marcada; tudo me faz me achar mais bonita ou menos feia.

Sou muito grata a Deus por me dar força interior pra passar por essa fase. Não quero dar um discurso de superação #focoforçafé #vemmonstro, mas emagrecer é sim uma batalha da qual estou, até o momento, saindo vencedora.

A questão é que eu ainda sou gorda. Ainda peso mais de 100kg. Me faltam 39 kg pra sair da obesidade. Já caibo em roupas, mas todas ainda plus size. Não agarro na roleta, nem ocupo mais dois lugares no ônibus, mas ainda não passo em qualquer espacinho. Vejo os caras me olhando na rua, mas ainda não me acho gostosa.

As pessoas que me vêem não sabe pelo que passei/passo e ainda me julgam apenas como gorda. Muita gente nem percebeu meu emagrecimento. Acho que pelo fato de estar andando mais arrumada, as pessoas acham que algo mudou, mas não sabem o que. Somente umas três me falaram que emagreci.

Dia desses fui a rua e senti que muita gente me encarava. Hoje estou com uma blusa mais justa e percebo alguns olhares de julgamento vindo em minha direção. Claro que pode ser só aquela velha cisma, aquela autoestima baixa gritando no meu ouvido, mas é o que sinto. Tenho comido o mais natural possível, o mais balanceado que consigo e vira e mexe alguém ainda me oferece um docinho “porque gordinha gosta, né? risos” ou “tá de dieta? Precisa mesmo”.

Tô tão acostumada a ser julgada pelo meu peso que, mesmo eliminando uma boa quantidade dele, ainda me sinto presa dentro de um corpo obeso mórbido. Um dia de cada vez, né? Um quilo de cada vez, um trauma de cada vez.

Não dá pra resolver tudo também do dia pra noite. Os 21 são passado, mas os 39, esses ainda farão parte de boa parte do meu futuro.

Like what you read? Give quasevida a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.