Se hoje eu tivesse a oportunidade de encontrar com Deus eu pediria pra que Ele me levasse pra perto dEle. Mesmo sem eu merecer. Eu só queria ficar em paz. Num lugar onde nada me incomodasse ou doesse. Na idealização de paraíso que todos temos. Juro que eu queria.

Passei o dia todo tentando fugir de algo que está dentro de mim, que sou eu. Tentei pensar o que fiz de tão errado pra passar por isso, pra pagar com esse desatino. Nenhum dos meus piores pecados é motivo pra tanta dor. Eu não mereço isso, mas a vida não é justa e faz tempo que eu deveria saber disso.

De uns dias pra cá voltei a não ver sentido nas coisas, voltei a me desanimar, me sabotar e fugir do mundo. Quem me vê não desconfia do que trago no peito. Quem desconfia finge não saber e quem sabe manda eu sair dessa. Confiamos em você; você é uma pessoa boa; você é forte; não tem motivos pra essa tristeza, eles dizem.

Seria mais fácil se houvesse um motivo. Eliminaria e era só seguir em frente. Mas não há. Tudo está ruim. Me isolo do mundo, mas me sinto tão carente e abandonada.

Não vejo sentido na minha vida. Olho ao meu redor e percebo que sou a mais feia das minhas amigas. A única gorda. A mais pobre. A única que não fez faculdade. A que não tem família. A que tentou tirar carteira mil vezes e não conseguiu. Sou uma pessoa ridícula. Meu eu criança se envergonharia do que me tornei. Tantos sonhos, tantos planos, tanto potencial. Tanta frustração.

Há uma ponte entre mim e o mundo. Afasto as pessoas que amo quando percebo que elas estão enxergando minha alma. Não quero que ninguém a enxergue. Eu a enxergo muito bem e ela é muito obscura pra ser exposta.

Escrevo em meio as lágrimas. Talvez amanhã esse texto não faça sentido, mas por agora é o que eu precisava dizer. Não escrevo pra ser lida, escrevo pra me esvaziar. Pra deixar de lado todo esse peso morto que está sobre minhas costas.

Infelizmente as palavras pesam pouco e mesmo deixando muitas aqui a bagagem segue comigo. Pesada. Agarrada. Sofrida.

Mas se eu tivesse a oportunidade de encontrar com Deus…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.