Fotos e moldura

Já acho graça nessa história de tristeza definitiva. É curioso. Ser triste faz brotar identificação das mais improváveis companhias, que por ventura estejam tristes momentaneamente. Duas, três, dez mensagens trocadas. “Isso”, “Exatamente”, “Você me entende”. Algumas sugestões de filmes pouco indicados a suicidas. Músicas e livros idem. Trata-se de toda identificação por que um sujeito taciturno anseia sentir para enfim deixar de ser… triste. Mas você é, ela está. Ela melhora, levanta, sacode a poeira, as afinidades, o clima. Bem assim. Uma moldura para inúmeras fotos freneticamente trocadas. Inicialmente, quando emolduradas, todas se encaixam perfeitamente. Algumas ficam mais tempo, deixam resíduos no fundo da moldura, manchas no vidro. Outras são arrancadas, rasgadas, até queimadas. Nenhuma passa despercebida. Uma vez arrancadas, não é comum fotos voltarem para a mesma moldura…

De fato, essa persona rehab-emocional-ambulante talvez seja a tal missão da qual o incumbiram quando veio para este plano, como dizem. E há um padrão. São tão corriqueiros e semelhantes os movimentos que é perfeitamente possível detectar quando será o pico das trocas de mensagens e, em seguida, quando o fio de afinidades começará a ruir. Você aprende a conhecer pessoas já sabendo que é inevitavelmente efêmero. E você não gosta menos delas por isso. Não deixa de sentir falta quando elas partem do seu dia a dia. Você sabe que está destinado a observar fotos surgindo e esmaecendo, surgindo e esmaecendo, surgindo e… até que não haja mais moldura.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Quem liga?’s story.