Meu primeiro batom azul

A vida inteira eu ouvi não pode. Não pode usar batom vermelho. Não pode pintar unha de vermelho. Não pode sair tarde. Não pode voltar cedo. Não pode ler o livro que o-pastor-falou-que-não-podia. Não pode casar depois dos trinta. Não pode ter filho depois dos trinta-e-cinco. Não pode levantar. Não pode responder o pro. Não pode abrir antes da hora. Não pode comer a sobremesa antes. Não pode comer. Não pode sair daqui. Não pode entrar ali. Não pode beber muito. Não pode beber só coca. Não pode beber coca. Não pode dançar essa música. Não pode cantar aqui. Não pode transar antes do casamento. Não pode dormir tarde. Não pode estudar aqui. Não pode dormir aqui, moça. Não pode ficar com a poltrona reclinada. Não pode amar qualquer um. Não pode confiar nos outros. Não pode acreditar em homem. Não pode acreditar em amiga. Mulher não pode ter amiga mulher. Não pode rabiscar a mesa. Não pode ser amiga dele. Não pode comer pão. Não pode comer bolo. Não pode comer. Não pode usar calça apertada. Não pode usar bermuda. Não pode usar blusa sem sutiã. Não pode usar calcinha fio dental. Não pode usar calcinha bege grandona. Não pode ficar sem calcinha. Não pode sair agora. Não pode sair antes de acabar. Não pode. Não pode. Não pode chorar agora. Não pode ficar sem fazer a unha. Não pode xingar. Não pode falar palavrão. Não pode ser um mau exemplo. Não pode usar batom azul.

Posso.

E vou.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.