Namore com alguém que

Me deparo com esse título de texto toda vez que entro no Facebook. Todos falam pra você namorar pessoas boas, sensíveis, aventureiras, engraçadas, parceiras, de todo o tipo. Mas esse é um texto diferente. Se fosse pra eu falar pra você namorar alguém, namore alguém que te faça feliz. Simples assim. Pode dar trabalho, ser difícil e depois de um tempo, você pode conhecer milhares de defeitos da pessoa que você gosta, mas e aí? Você desiste tudo e escolhe fugir porque hoje é mais fácil deixar ir embora do que insistir em algo que pode ou não valer a pena. Se não valer, aprenda com isso. Se valer, maravilha.

Nós temos mania de ter tudo nas mãos. Casa, emprego, comida, televisão. E achamos que quando namoramos alguém, essa pessoa vira nossa propriedade. Exemplo disso é você falar que “perdeu tal pessoa”. Pera lá, perder a gente perde blusa, bolsa, dinheiro, sapato, jogos. Quando conhecemos uma pessoa por pior/melhor que ela seja, sempre vamos ter algo a ganhar.

Claro que costumamos muito idealizar como seria o relacionamento perfeito, o(a) namorado(a) perfeitos. E assim nos perdemos em ilusões e nos decepcionamos por um ato x da pessoa porque não é como esperávamos. Mas aí que tá, aquela história de “ele(a) não era o que eu pensava” é surreal. Você coloca as suas expectativas em um outro alguém e sendo assim, não vai dar certo nunca. Ele(a) sempre foi assim, você só não percebeu porque queria que fosse de outro jeito, do seu jeito. E por isso, você pode ter perdido o grande amor da sua vida.

Todos nós já tivemos um coração partido. Já gostamos de alguém que não gostava da gente do mesmo modo. Já gostamos de alguém que quebrou a nossa confiança. Já ouvimos aquela música que lembrava aquela pessoa (e também já excluímos a mesma música por lembrar de certa pessoa). Mas tudo isso passa. Pode parecer impossível achar que vai ficar bem depois de romper com aquela pessoa especial que você namorou por 11 anos. Mas uma hora, cicatriza. E diferentemente de um copo, o coração não só cicatriza, mas também se cura. O exemplo do copo se encaixa apenas pra quando a confiança é quebrada e você ainda continua com a pessoa que te fez mal. Cura com o tempo, cura com o vento. E pros apaixonados, cura-se com um novo amor.

Ao longo desse texto, falei sobre não desistir fácil assim de alguém, certo? Mas que fique bem claro, isso não se aplica a relacionamentos tóxicos/abusivos. O carinha que você ta afim e ele te despreza, ri de você. O seu namorado de anos que te coloca sempre pra baixo e te impede de usar isso aquilo ou de sair com as suas amigas/amigos. Aquela menina que você faz de tudo por ela, mas ela não está nem aí. Ou aquela que te humilha na frente dos outros. Existem vários tipos e exemplos disso por ai. E existem milhares de pessoas que acham isso uma coisa normal e continuam presas em um nó invisível, porque lhes é familiar, é cômodo. Umas mantém um relacionamento até por aparência/status.

Nós devemos nos relacionar com pessoas que nos fazem querer ser melhores. Que nos coloquem pra cima e que nos respeitem. Que tirem o seu cabelo do rosto, não a sua paciência. Que assista aquele filme que você já viu 450 vezes no netflix, mas só ta la porque quer passar um tempo com você. Alguém que você queira bem e que te faça bem. Uma via dupla, certo? Alguém que seja parceiro(a) pra vida, pra tudo, a qualquer hora e a qualquer lugar.

Mas há um segredo pra isso: se amar mais e fazer mais coisas por você. Não, isso não é egoísmo, é amor próprio. Como você vai ter um relacionamento se não se põe em primeiro lugar? Você não tem que viver a vida do outro, tem que aprender a viver com o outro, entende a diferença?

Então esteja preparada ou despreparada mesmo até por que o amor não escolhe nem quando nem onde. Pule nessa jornada e saia machucada, quebrada, suja. Mas você vai sair inteira de qualquer forma. Inteira porque se permitiu a viver tudo isso. Inteira porque você é a sua metade da laranja. Inteira porque o outro só veio pra somar não pra dividir. Inteira de uma vida inteira. Inteira de qualquer maneira.