Depois que descobri esse segredo, minha forma de escrever mudou

Imagem por Sasha Freemind

Existem muitos becos escuros na escrita criativa.

Basta olhar para qualquer guia, livro ou post sobre o tema e você vai perceber certa recorrência nos assuntos: como escrever mais rápido (?), como criar personagens, como estruturar histórias e assim por diante.

Mas quer saber a real? Nada disso importa.

E olha que eu escrevo há mais de uma década.

Se você ainda está lendo esse artigo, aí vai um spoiler: o segredo que mudou minha forma de escrever foi descobrir como desenvolver a relação entre suspense e surpresa.

Seja você publicitário, escritor de ficção, produtor de conteúdo ou marqueteiro das redes sociais precisando de uma forcinha, continue lendo pra descobrir como você pode, também, revolucionar a sua escrita.

Mas antes, vamos do começo: como definir suspense & surpresa?

Como toda boa anciã, gosto de ler o dicionário para encontrar o significado das palavras mais banais.

Aliás, essa é uma dica valiosa para escritores e produtores de conteúdo: leia o dicionário.

Muitas palavras, como “surpresa” e “suspense” escondem mais do que a vista alcança.

Vamos, então, ao significado de surpresa no meu dicionário preferido da internet, o Dicio:

Circunstância imprevista, inesperada, repentina; o que não se sabe por antecipação; imprevisto.

Se possível, guarde a parte do “o que não se sabe por antecipação”. Prometo que vai ser importante mais tarde.

Agora, vamos de suspense:

Toda situação cujo acontecimento, ação, explicação, continuação ou resolução são impacientemente esperados.

De início, as duas palavras parecem sinônimas. Ou aparentadas de alguma forma, como se fossem da mesma família e dissessem a mesma coisa.

Eu também pensava assim, mas isso mudou depois que fiz a MasterClass de Malcolm Gladwell.

Malcolm Gladwell me trouxe insights poderosos

Jornalista, autor best-seller de não-ficção e presença confirmada na lista da Revista Time como uma das 100 Pessoas Mais Influentes do Planeta, Malcolm Gladwell escreve sobre questões complexas usando situações do cotidiano.

E mesmo não lendo nenhum livro dele, você já deve ter ouvido por aí algumas de suas ideias.

A mais famosa é a que discorre sobre a teoria das 10 mil horas, que prega o seguinte: se você praticar qualquer coisa durante o período de 10 mil horas, é bem possível que você domine o tal campo ou área de atuação escolhidos.

Soa familiar? A teoria, bem explicadinha, é encontrada no livro Fora de Série: Outliers.

Apesar de Gladwell não ter sido o criador dela, foi um dos grandes responsáveis por difundi-la na internet.

Além de fazer tudo isso, Gladwell tem uma MasterClass exclusiva sobre a arte de criar narrativas potentes, com personagens cativantes, diálogos inteligentes e ideias capazes de saltar do papel.

Apesar de ser uma MasterClass incrível, o mais importante é o conceito de suspense e surpresa apresentado pelo autor.

Isso muda o seu jogo quando o assunto é escrever.

Aí vai:

A diferença é sutil, porém importante

  • Suspense é quando o autor brinca com as expectativas de tempo do leitor. Resumindo: o leitor sabe que algo vai acontecer em determinado momento da narrativa — a revelação de um assassino, um segredo bem guardado — , mas não sabe quando essa revelação vai ocorrer.
  • Surpresa é uma técnica que entrega uma nova informação de maneira completamente inesperada. Surpresa é quando o leitor não faz ideia do que está vindo, até receber a tal informação.

Ficou meio confuso?

Pense que a diferença entre elas é basicamente essa:

Numa delas, o leitor sabe o que vai acontecer, mas não sabe quando. Na outra, o leitor não faz ideia do que está vindo em sua direção.

Misturar as duas técnicas é o que traz mais vivacidade ao seu texto ou história. Afinal, seres humanos são criaturas curiosas por natureza.

Tá, mas como usar esses conceitos na ficção? E na produção de conteúdo?

Prometo que é bem mais fácil do que parece.

A relação suspense X surpresa na ficção

Se na técnica da surpresa o leitor não faz ideia do que está vindo, e na técnica do suspense ele sabe o que vai vir, mas não sabe quando, como podemos aplicar isso nas histórias de ficção?

Simples. É só usar o que eu chamo de…

A Regra das Três Marias

Já diziam os antigos: tudo o que é bom, vem do número três.

Mitologia ou não, não se pode negar que os povos da Antiguidade tinham uma quedinha pelo cabalístico número três.

Existem três conceitos na ficção que, quanto antes você entender, melhor. E não envolvem, propriamente, escrever. São eles:

  • Existem coisas que a personagem e o leitor sabem
  • Existem coisas que a personagem sabe, mas o leitor não sabe
  • Existem coisas que a personagem não sabe, mas o leitor sabe

Se precisar, anote essas três ideias, cole na sua mesa — ou em qualquer lugar onde você costume se sentar para escrever — e repita todos os dias, até você absorver e levar isso para a sua escrita.

Escrever é como aprender a tocar um instrumento musical: depois que você ganha memória muscular, tudo fica mais fácil. Mas sem prática constante, é quase impossível automatizar certos processos.

E para deixar ainda mais claro, vou adicionar alguns exemplos dos conceitos acima:

Coisas que a personagem e o leitor (geralmente) sabem: tipo físico, profissão, preferências, idade, roupas, etc. É o comum, o arroz com feijão da descrição. E muito necessário para estabelecer as bases de relacionamento personagem x leitor.

Coisas que a personagem sabe, mas o leitor (geralmente) não sabe: algum segredo do passado, motivos para a personagem não gostar de outra, etc. Aqui a coisa começa a ficar boa porque mexemos com a curiosidade do leitor. O que essa personagem esconde?

Coisas que a personagem (geralmente) não sabe, mas o que o leitor sabe: uma revelação que outras personagens estão escondendo da protagonista, podendo ser uma gravidez, uma traição ou uma festinha surpresa.

E voltamos ao conceito de surpresa e suspense.

Enquanto a primeira opção é neutra, com entendimento mútuo entre as partes, as outras duas são um prato cheio para surpresas e suspenses.

A segunda opção, por exemplo, brinca com as expectativas do leitor, que fica tentando adivinhar o que a personagem esconde, gerando suspense na narrativa.

Já a terceira opção, que gera suspense naturalmente, pode se encerrar com uma surpresa agradável ou não.

Digamos que na tal festinha surpresa planejada para sua personagem, ela chegue lá e descubra que os amigos estão tentando usá-la como sacrifício para uma seita milenar.

Enquanto o leitor esperava uma traição, briga ou uma festa normal, ele recebeu algo bizarro.

E você fez o seu trabalho de escritor: subverter expectativas.

Mas e na produção de conteúdo? Dá pra usar essa técnica?

Trago boas notícias:

Se você produz conteúdo para a internet, a lógica é (quase) a mesma

Vivemos na era da informação, do encantamento e dos gatilhos mentais.

Aparentemente, agora, produzir conteúdo é a lei da internet para qualquer profissão ou nicho.

E como tudo na vida, existem certas diretrizes para definir o bom conteúdo.

O Bom Conteúdo:

  • É fácil de entender
  • É rápido de absorver
  • É divertido
  • É compartilhável

O Bom Conteúdo é uma história que cativa.

E a lógica das Três Marias pode ser adaptada aqui também. Olha só:

  1. Existem coisas que você e sua audiência sabem
  2. Existem coisas que você não sabe, mas a sua audiência sabe
  3. Existem coisas que você sabe, mas a sua audiência não sabe

Só que ao invés de escrever um livro, você está lidando com o suspense e a surpresa em outros formatos: artigos de blog, posts, vídeos, tweets e/ou tiktoks.

A lógica é a mesma. Você só está adaptando o formato.

Surpresa e suspense na escrita, seja ela ficcional ou não, são a mistura perfeita para levar seu ofício a outro nível.

Isso muda o jogo de qualquer escritor.

E não é nenhuma surpresa o que eu vou dizer agora…

Se você chegou aqui por acaso, eu escrevo livros e produzo conteúdo sobre escrita criativa e literatura. Para conhecer minhas histórias, clique aqui!

Redatora, escritora e fã de Shrek. Aqui você encontra escrita criativa, livros e produtividade. Acesse https://rachelfernandes.art :)

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.