A — A gente expulso, onde a gente esta ?

E — Não sei. A gente esta fora.

A — Fora?

E — É, fora. A gente esta fora. Não tem mais rio, animal, comida farta, a gente esta aquí nesse sol, que la era delicia, agora estou torrando. A gente esta fora. Mas olha, também não tem arvore proibida. Tudo é permitido. Tudo é proibido.

A — Achas?

E — É. Agora quem é o juiz é a gente. Vê, ali, aquela arvore. Você pode comer dos frutos dela. E da outra. E você pode dormir quanto queira, mas vai ter que arar a terra para comer. E agora a gente morre, mas a vida não é eterna, e a gente aproveita mais o que é efêmero.

A — Eva, parece que você sabe das coisas agora.

E — Sim, meu querido, porque quando eu comi do ~fruto proibido~ eu fiquei sabendo. Você ainda não ficou porque esta ai, se escondendo atrás da minha culpa. Deixe eu te contar, agora a gente não se reproduz mais por mitose, a gente se reproduz transando.

A — Quê?

E — Amigo, transando, “fazendo amor”, chamarão, num arroubo do kitsch daqui a uns anos. A gente que se ama, ou se respeita, vai poder transar, gozar ou não, seduzir ou não, e quando for proibido vai ser ainda melhor. E se fizer tudo direitinho, a gente vai fazer gente, que não é metade tu, metade eu, é uma pessoa inteira, um individuo, cheio de uma vida de escolhas, de proibido e de permitido. Cada um será o proprio juiz.

A — E tudo isso porque você comeu o fruto e me ofereceu?

E — Não, Adão. Tu não enxergas? Era isso que Deus quería, que a gente fosse nosso juiz. Que a gente fizesse nossas escolhas. Mas conheces, né. Ele quis fazer com a gente como eu vou fazer com meus bebês, depois, que a gente vai ter, depois de uns orgasmos meus e seus. A gente pega o bebê e põe numa bolha de mentira. Ai ele começa a querer furar a bolha e a gente tem que deixar, Adão, o bebê fazer as escolhas. E quanto melhores escolhas ele fizer, melhor o mundo. E é isso que Ele quer, mas quis botar a culpa em mim, na serpente, na arvore, em tu. Porque tu comeu o fruto porque quis. Porque você não é menino da bolha.

A — Eva, tô com medo. E se as coisas derem errado?

E — Adão, a vida é um rascunho. Você vai fazendo o melhor que pode. Não passa a limpo depois. Vamos aprender vivendo. Vamos juntos, Adão, aprender, errar, acertar, queimar a mão no fogo, pisar na pedra, transar, parir. Tenha medo não, que medo é manha.

A — Eva, essas costelas devem ser fortes para ter feito alguém feito tu.

E — Costela tem que ser forte, Adão, para proteger o coração. Bora junto, que a vida se faz assim, no coração e no osso.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Nina Queiroz’s story.