Presentear o presente

hoje na tok e stok eu deprimia, pensando na casa que montei e deixei pra tras. Meus pratos vermelhos, meus copos kitsch de eterno champagne, meu avental maior que eu, tudo aquilo e eu sem saber se tinha volta. Pensando quando cheguei a Toulouse aos prantos, vendo o Canal do Midi e François Verdier e me dizendo que era certeza de que tudo aquilo pertencia ao passado.

Me perguntando o que a vida me reservava para minha proxima casa. Que copos tão caros. Quando, meu Deus, quando, Oxala que logo, mas se logo seria melhor ajustado? Não sei, o futuro não se revela pra gente tão facil. O meu futuro é de surpresa, é camino que se hace al andar, e eu tô cansada olhando pra tras, mas ja me levantei e ja descalcei os pés, porque quero sentir o caminho.

E ai nesses tempos resolvi presentear meu presente, porque é nele que eu vou inspirar meu futuro. Por falar em pés, me comprei umas pantufas que parecem resumir em um deseinho toda a bagunça que me acomete. Elas me confortam os pés, também. E comprei uma velinha que cheira a algodão para acalmar o meu sono. Porque ele é sagrado, preciso dormir e sonhar, e acordar e lutar.

Presentear meu presente com coisa que se compra, que se sente e se observa. Que se agradece, porque ha muito a agradecer. O presente se transforma, sempre. O passado muito menos. O futuro a gente constroi um pouco, torce um pouco, mas ele vem e a gente tem que estar com fôlego quando vier, como vier.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.