Das fotos que guardei sobraram as saudades

Enquanto arrumava uma grande estante acabei encontrando algo. Uma foto sua, guardada em um caixa velha de papelão escondida perto de alguns quadrinhos e livros velhos.

Nessa foto você não está com o seu sorriso de Mona Lisa, aquele curto e tímido como em todas as suas outras fotos. Nessa, que tirei sem te avisar, você sorria de um jeito que eu nunca havia visto. Um sorriso aberto, sincero. O sorriso de alguém entregue, disposto.

Você sorria como se aquele fosse seu último sorriso, o derradeiro, aquele fecharia com chave de ouro o espetáculo da sua vida.

Me enganei.

Esse sorriso tão, sinceramente feliz, não fechou sua existência, tão pouco , foi o ultimo sorriso que deu, mas foi o último que eu vi.

Ele fechou o nós e abriu o eu e você. Ele fechou o nosso espetáculo íntimo e começou um novo.

Com um singelo sorriso no rosto,guardei a foto novamente na estante e trago comigo a cena como tatuagem da alma.