O tal do sedentarismo

Nasci em uma família em que meus pais sempre incentivaram ao esporte, comecei na natação logo quando criança, com uns quatro anos encasquetei que queria fazer Ballet, lá na década de 90 não existia ballet baby, as escolas aceitavam a partir dos 6 anos, mas minha mãe conseguiu me matricular antes da idade mínima. Já o meu irmão era louco dos esportes, tanto que fez faculdade de Educação Física e sempre incentivou todo mundo a se movimentar, mas sabe aquela história de casa de ferreiro, espeto de pau?

Da infância entramos naquela fase abusada da vida, a pré-adolescência e adolescência, e eu nunca fui daquelas meninas que eram freak na educação física, pelo contrário era sempre a última a ser chamada, a última a ser colocada em um time, a reserva. Tinha medo, medo de o meu time perder por minha causa, medo de fracassar de ser um fiasco e cada vez me escondia e curtia menos esportes coletivos, por achar que o erro seria minha culpa.

Lembro que uma vez inventei que ia aprender handball, resultado: quebrei o dedo na primeira aula, ou seja, um desastre por completo. Nos últimos anos do colégio eu só vivia de atestado das aulas de Educação Física, já que o ballet e um problema na cartilagem do dedo me deixaram sem poder calçar um tênis por anos.

Depois veio aquela fase maravilhosa da vida, a faculdade, em que seu tempo se resume a estudar, tentar arrumar um estágio/emprego, passar nas matérias e concluir os períodos e claro, ir pras cachaçadas. Daí você coloca culpa no tempo, fala que não tem tempo, não tem tempo pra nada! Mesmo o dia tendo 24 horas pra todo mundo e a atividade física vai sendo sempre deixada de lado, sendo adiada pro próximo mês, pro próximo semestre, pro próximo ano, quiçá pra próxima vida! E aqueles 5 kg a menos que você sempre promete se perder no ano novo te acompanha por todo o sempre.

Eu era daquelas que comprava o pacote anual da academia e se juntasse todos os dias que fui à aula não completava dois meses seguidos, atleta de fim de semana mesmo, dessas que toda segunda falava AGORA VAI! Vai pra onde minha filha? Se na primeira oportunidade fura a aula, qualquer coisa é mais legal do que cuidar de você? E assim ia indo, me enganando, gastando dinheiro e empurrando literalmente com a barriga.

Depois da faculdade, do trabalho e de uma leve estabilidade, e claro depois do 7x1, resolvi que ia me mexer. Depois de muito ME ENROLAR resolvi tentar diferente, sempre fui dessas: “a dieta não tem resultado comigo”. Como não jovem? Você já tentou? Tentou de verdade? É isso mesmo que você quer? Por que antes eu só falava da boca pra fora!

E ai voltei pra academia, a propósito detesto malhação! Então sou daquelas que você vai sempre me ver nas aulas de aeróbico, a louca da dança, da zumba, do funcional, do jump, da corrida… E quando você deixa de ir por obrigação e vai por algo maior que te motiva, vê que está indo na academia há uma semana, um mês, uns meses, e quando você não pratica sua atividade você sente falta, acredite! Eu também achava que isso era lenda.

E ai você se lembra da sua adolescência, você percebe que o time do colégio que você tinha pânico de perder por sua causa hoje não existe esse monstro, porque o time é você, o resultado é seu, levantar do sofá colocar uma roupinha (isso é muito difícil, mesmo!) e ir mexer esse traseiro, ver o número da balança diminuir, a numeração da roupa trocar e se olhar no espelho e ver que você nunca se curtiu tanto! Sim, essa é uma vitória do seu time! É uma conquista sua!

E se é modismo? Que bom que com o modismo algumas pessoas se encontraram! Procuraram esportes que façam você sair de casa, que conquiste e agregue amigos na atividade física. E assim se sintam melhores, ninguém precisa ser paranoico, mas é incrível quando você vê pessoas que te motivam e quando você motiva pessoas a se mexer, a terem hábitos saudáveis.

Daquela “atleta” que fugia da aula de Educação Física, hoje eu sou uma pessoa que adora colocar um tênis, fazer uma atividade nova. As pessoas gostam de se sentirem bem, bonitas, felizes, vivas, com energia! Não estou cagando regra falando que o mundo tem que emagrecer, atividade física não é só para isso! Se você está feliz com seus kg a mais também fico feliz, o importante é você estar bem. Agora, se cada vez que você vai experimentar uma roupa você fala “preciso emagrecer”, ou quando na praia/piscina fica regulando sua roupa de banho cheia de neuroses, ou ainda um dos seus check lists de ano novo é sempre perder uns quilinhos, por que você não tenta de verdade?

O mundo perdeu uma sedentária e ganhou uma entusiasta do esporte. ❤

Morro do Moreno — Vila Velha — ES
One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.