Não é foto, nem vídeo: é corpo

Que você já viu o seu corpo com os seus olhos e com a ajuda do espelho, e até de outras pessoas, isso já. E dançar? Conforme a música, conforme o outro, conforme te der na telha. O corpo em movimento requer habilidade, um pouco de equilíbrio e reequilíbrio. Um olhar antecipado no próximo passo ou uma surpresa, mesmo antevendo o que faria. E não é mesmo você apertar o play pra ver e voltar pra repetir até aprender. É se mexer pra vida mexer junto!

Observa. Não sabe nem pra qual lugar que o olho vai. Um giro e alguém elevando. Um salto e alguém derrapando. Pessoas atravessando. Não dá tempo pra registrar uma imagem. Alguém te chama… acorda! É pra vida!!! Rebola, levanta, acompanha, vai sozinho. Não grava não. Faz ser ensinado com os passos que ela pode te fazer aprender!

E quem disse que pega rápido? Qual o estilo de… música? Quer salsar pelas ruas? E o merengue pra driblar os atalhos? Precisa de tango pra dramatizar? Se soltar no soltinho? Ou forró pra se virar de qualquer jeito? Tenta e pronto. Não fica abrindo pra ver como faz, se teu corpo precisa ser marcado!

E ninguém tá preparado. Principalmente, quando é você que é chamado pra bailar. Sem filtro. Dois pra lá ou dois pra cá, o mundo te convoca pra pista. Se vira do jeito que o salão pedir. Sem caixa alta. Só salto alto. Sem foto e vídeo. É corpo.

Segue o baile…