Dear White People e o colorismo

~ Contém spoilers, VÁRIOS SPOILERS, estejam avisados~

A série ‘Dear White People’(Cara gente branca) é cheia questões a serem conversadas, neste texto vou falar um pouco de “colorismo” que seria, resumidamente:

Prejudicar ou discriminar alguém baseando-se na tonalidade de sua pele/fenótipo.

O texto não pretende definir quem é mais ou menos negro. O colorismo é uma questão estrutural, agindo independente da vontade dos indivíduos prejudicados ou “beneficiados”. Vou expor os incômodos que sinto nos acontecimentos sutis ou explícitos que se apresentam na série, em especial os que envolvem as (ex-)amigas Sam e Coco.

Samantha(Logan Browning) e Colandrea(Antoinette Robertson). Foto: Adam Rose/ Netflix. Dear White People

Samantha White e Colandrea Conners se conhecem na Winchester University e se tornam amigas por dividirem o quarto. Estão tentando se enturmar quando encontram uma das irmandades negras no refeitório, eles parecem cosplayers de Panteras Negras e todos têm seus cabelos naturais, Sam e Coco estão com os cabelos alisados e são convidadas a se retirar da mesa, elas não são ‘negras o suficiente’ para fazer parte do grupo.

Durante a noite Coco sai com três amigas brancas para uma festa de calouros e veteranos, mas acaba sozinha e frustrada. Aliás vemos muitas vezes Coco desse jeito: Sozinha e frustrada.


O assassinato de um jovem negro em pleno Kwanza faz com que Sam discurse e ganhe atenção dos outros alunos negros, suas palavras são aplaudidas por todos, vemos as quase forçadas palmas de Coco. Ela não considera a proposta da amiga efetiva porque vem de um bairro violento e viu vários de seus amigos serem assassinados, sabe que não é um protesto que vai mudar o sistema.

Após o discurso uma irmandade de mulheres negras as abordam. A líder elogia Sam por suas palavras e cabelo, mas não faz os mesmos elogios ao cabelo também natural de Coco. Sam não tem interesse nessa irmandade, enquanto Coco tenta se enquadrar colocando um megahair. Sam até ri um pouco de tudo aquilo porque lhe parece ridículo. Mas para Coco tentar se encaixar é uma constante dolorosa.

“A beleza dói” — Netflix. Dear White People

Enquanto vemos Coco desconfortável sendo pressionada pela superior da irmandade, Sam está falando de igual para igual com os grupos que antes lhe rejeitavam.

Coco está com problema em uma das tarefas da irmandade e pede ajuda, mas Sam lhe dá as costas por estar focada em suas próprias prioridades. A amizade das duas é rompida nesse momento.

Em seguida Coco ouve as líderes da irmandade rirem dela por ser pobre. Coco sai da irmandade.

Coco está sozinha de novo.

E ainda só, vê Troy(O cara que ela super tem interesse)e Sam bem íntimos. Fica claro em outros episódios que eles tiveram um relacionamento.

Coco está frustrada de novo.

Mas Coco também vai ficar com Troy, só não vai ter um relacionamento. Fica óbvio depois de várias cenas que nenhum cara quer nada além de sexo com a Coco.

“Vocês assumem garotas como a Sam, mas comigo é escondido.” — Netflix. Dear White People

A Sam tem a pele clara, menos pigmentada, olhos verdes, cabelo natural, seus amigos são negros e ela é apreciada, amada, há muito afeto, embora nem sempre ela retribua. É a locutora da rádio. Sua voz é ouvida.

Coco tem a pele escura, mais pigmentada, usa megahair e perucas, é a primeira de sua família a ir a universidade, sempre estudou em escolas particulares, seus amigos são brancos, seu mentor é branco. Ela teve experiências terríveis, violentas. Coco desde criança foi forçada a odiar sua pele e associar suas características a feiura. Foi sempre silenciada. Ela é pobre e Sam gosta lembrá-la disso repetindo seu nome “Colandrea”(existe discriminação/ racismo com alguns nomes nos EUA que são tidos como ‘nome de gueto’, são nomes populares entre as pessoas negras, ex: Latisha, Jamal…).

Coco é frágil, quando Reggie quase foi baleado ela sofreu muito, até mais que Sam, que é amiga dele e vê toda a situação como uma oportunidade política. Coco ofereceu afeto e cuidado a Reggie. Talvez tenha visto nele todos aqueles que ela perdeu.

Reggie e Coco :< — Netflix. Dear White People

As duas estão empenhadas em impressionar as pessoas brancas. Coco não é perfeita, tão pouco Sam é a pior-personagem-do-universo, mas é nítida a diferença de oportunidades que frequentemente (não)se apresentam para cada uma delas.

“Você se safa por ser mais parecida com eles do que eu.” — Coco para Sam em um dos grandes embates entre as duas.

Observem a Joelle também, ela é vista apenas como uma amiga fiel que segura todas as ‘marimbas’ possíveis, mas que não tem voz. Nem a Sam lhe enxerga. Até o rapaz branco teve um episódio, aliás a Sam namorar um branco é o que menos importa na minha visão, embora eu também queira falar sobre o relacionamento deles em um outro momento.

E para pensar na série e sobre nós: Quantas vozes deixamos de ouvir enquanto gritamos “nós por nós” que soam como “EU por EU”? Quantas histórias dolorosas nossos irmãos, independente do fenótipo, guardam? Quantas vezes nós OUVIMOS verdadeiramente sem maquinar uma resposta para competir em sofrimento? Na série tem uma cena em que Coco se queixa dos caras dizerem que ela “até que é bonita para uma garota de pele escura” e a Sam imediatamente rebate dizendo que é quase tão ruim quanto ser chamada de “zebra ou mulata”…

Dear black people, o que vocês tem a dizer, para quem estão falando e a quem pretendem ouvir?

Rafaela Nascimento