Por que nunca temos roupas?

Atire a primeira peça de roupa (uma que não gosta tanto de preferência), quem nunca soltou um “eu não tenho roupa!” na hora de se arrumar pra sair. Não importa o evento, uma simples balada, aquela festa tão aguardada, ou até mesmo pra ir trabalhar, em algum momento da vida já dissemos isso, uma, ou uma dúzia de vezes.

Nisso, nós mulheres, somos todas iguais! Boto minha mão no fogo se tem uma que nunca ficou com essa duvidazinha nem que tenha sido por um segundo.

Nós nunca sabemos o que vestir!

Uma das grandes causas? O excesso de opção. Nas lojas há uma centena de modelos de calça, blusa, jaqueta e pra piorar nossa vida: SAPATOS E BOLSAS. Esses são arqui inimigos das mulheres. Ah, são sim, quer ver:

Você está prontinha pra sair e só falta colocar o sapato. Aí vem a dúvida, o preto ou o preto com bege? Nos 5 minutos que seguem enquanto decide, você já se atrasou 10 minutos para seu compromisso! (Isso se você for uma pessoa que deixa pra se arrumar em cima da hora de sair, como eu).

Mas esses excessos de opções — que ajudam a movimentar o mercado e que bom pra ele — não vai nos levar a nada.

Veja bem, não estou dizendo que temos que andar todas uniformizadas. Até porque o ato de vestir-se faz parte da construção da personalidade — o que queremos dizer aos outros que nos observam, apenas através das roupas. Se vestir, ou “se arrumar”, como temos o costume de falar, não é sinônimo de se papagair toda. Há uma frase que fala:

Se você acha que esta faltando alguma coisa, tire!

Entenderam, né? O menos é mais aqui. Se falta alguma coisa, é porque na verdade tem em excesso.

Quando falo desse excesso, proponho uma reflexão sob o que estamos investimento no nosso guarda-roupa para contar nossa história. Precisamos mesmo de tantas roupas? Tantas opções de sapato, bolsa, acessórios…E mais, no quesito combinação, também somos zero a esquerda. Nos olhamos na frente do espelho e pensamos se vai ser a blusa verde ou azul.

normcore style

Vamos simplificar a vida, o ato de se vestir! E nesse caso, eu concordo e dou graças com a vinda movimento normcore, onde o que vale é apostar em produções de cores neutras, peças clássicas e atemporais. Vamos ser adeptas do slow-fashion. Experimentar novas combinações com peças que aparentemente já estão batidas no nosso guarda-roupa. Todas as mulheres que vi se vestindo assim, “diziam” muito mais com suas roupas do que outras que se enfeitam demais.

Vamos nos adornar mais de atitudes, do que só a roupa, quando você menos esperar, sua camiseta branca estará flertando com seus acessórios de metal, e isso vai revelar uma tremenda história aos olhos da pessoa que acabou de passar ao seu lado!

Vai dizer que esse look não te diz algo?!

Quem sabe isso não é o início de uma linda amizade com nosso próprio guarda-roupa!

Também escrevo sempre sobre moda em meu blog. Conheça: blogdarafa.com.br

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.