Na-morada

Na-morada do silêncio
Madrugada me acorda
É a amante displicente
Detentora da semente
Que germina a Inspiração

Sem pudor e sem receio 
Me conduz num belo sonho
Quando Inesperada-mente
Sopra um verso reticente
E encomenda a conclusão

Exigente namorada
Vou ganhando-a delicada
Demorada e calma-mente
Me fazendo indiferente
Pra ganhar sua atenção

E não paro a conquista
Até dizer com efeito
Frase bela que acalente
E a face dela esquente
De vermelho-satisfação

Quando acho tal sentença
Que excite e que convença

Namorei a madrugada
E pari uma canção