O que diabos aconteceu com a GERAÇÃO Y?!
Ícaro de Carvalho
14.2K719

Cara, depende…eu já vivi os 2 mundos. Vivi o mundo corporativão, onde tinha que atravessar a cidade pra entrar as 7h no trabalho e caso entrasse as 7h15, era descontado do meu salário os 15 minutos. Quando eu estava doente, ou quando meu filho estava doente eu tinha medo de faltar no trabalho, mesmo com atestado eu sabia que eu sofreria represálias. Eu não podia conversar no trabalho e não tinha internet pra nada, nem pra pagar minhas contas eu podia usar. Eu tinha que trabalhar com uniforme e fazer a barba todo dia, e se a barba estivesse grande (2 dias sem fazer) eu tinha que voltar pra casa e perder o dia de trabalho. Eu tinha que trabalhar de social pra ficar em baixo da mesa onde ninguém me via, e mesmo fazendo 36 graus eu estava lá de gravata. Hoje eu trabalho em agência de publicidade, e hoje eu posso chegar mais tarde pra levar meu filho no médico sem problemas, ninguém vai me falar nada e eu nem preciso levar atestado. Eu consigo trabalhar de casa se meu filho não estiver bem pra ficar em outro lugar. Eu consigo trabalhar com qualquer roupa, inclusive com short. Eu consigo conversar no trabalho e usar internet pra fazer o que eu quiser. Enfim, você entendeu. Eu prefiro muito mais um trabalho com liberdade, onde eu me divirto, do que um trabalho chato onde eu vou trabalhar todo dia com raiva. Eu entendo seu ponto de vista e concordo. Porém, o problema não é o "trabalho diversão", o problema é não saber medir. Tudo tem que ser balanceado. Eu não tenho telefone de nenhum cliente e eles não tem o meu. Quando eu saio da empresa eu nem lembro que ela existe, vou viver minha vida. Eu faço de 8 a 9 horas de trabalho por dia e se eu tiver que fazer mais que isso eu peço as contas pois eu não ganho hora extra e tenho minha familia e minha vida fora da empresa. E quando eu trabalho home office, eu simplesmente desligo tudo as 18h e não importa mais nada do trabalho. Ou seja, eu posso ter todas as regalias que as novas empresas oferecem sem necessariamente ser um escravo disso tudo. O problema não é as regalias, o problema é se deixar ser um escravo. A galera tem que se impor. Eu tenho certeza que eu sou muito mais feliz vindo pro trabalho e sabendo que vai ser um dia divertido do que nossos pais que iam com raiva e passavam por tudo que tinham que passar com medo de ser mandado embora. Enfim, é apenas minha opinião.

Like what you read? Give Rafael Godinho a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.