O medo de ser adulto.

Esses dias eu fiquei pensando muito no que representa ser adulto, será que é só responsabilidades? Contas pra pagar? Desapontamentos? Estresse? Eu ainda não descobri o que é ser adulto, e nem estou preparado pra isso.

Quando a gente é criança e todo mundo manda na gente o que sempre vem na cabeça é: “Quando eu for adulto ninguém vai mandar em mim e eu poderei fazer o que eu quiser”, mas não é bem assim, a gente descobre da pior maneira que não é, sabe, quebrando a cara.

Aos 17 anos pensei que a vida mudaria magicamente às 0:00h do dia 25 de Julho de 2012, o dia que fiz 18 anos, pensei que seria um dia mágico, que algo mudaria ali, mas só ganhei um relógio de ouro e uma festinha surpresa no cursinho, mas nada, depois que vi que os meus 18 anos não seriam algo libertador como a gente sempre fantasia, a decepção veio avassaladora, mas depois passou, afinal, eu tinha um vestibular pra prestar e pensei mais em estudar que na vida em si, diferente de hoje em dia.

Quando eu era bem alienado em só estudar, tirar boas notas e arranjar um trabalho eu era bem mais livre, quando eu era ignorante ao que via a minha volta eu estava liberto dos meus pensamentos, já que não refletia sobre o funcionamento das coisas, hoje em dia me prendo ao medo das conclusões que tiro das coisas à minha volta. Não sei quem inventou essa história que o conhecimento é libertador, as vezes ele pode ser uma prisão, ainda mais quando você toma conhecimento da prisão que esse modelo de sociedade é.

Esses meses que eu estou apenas refletindo e refém dos meus pensamentos estou me percebendo cada vez mais preso, não consigo mais ver o mundo como algo cheio de possibilidades, a Terra é como um grande aquário, nós estamos presos nessa mesma dinâmica, temos que conseguir um emprego, pra ter dinheiro, pra comprar uma casa, comida e remédios. Viver em um lugar confortável me fez ter mais medo de perder isso tudo, e o pior o medo me deixa paralisado, não consigo tomar atitudes e ações apropriadas.

A mentira me acompanhou, eu menti pra mim mesmo que eu sabia o que era ser adulto, mas não, eu finjo ser adulto, sou uma grande fraude. Talvez ter sido mimado demais tenha me deixado em uma posição de conforto enorme, eu fui fútil por tanto tempo que eu não sei mais não ser assim. Agora mais que nunca eu preciso levantar e tomar as rédeas da situação e a criança de 22 anos está ainda no controle e se apavora aos desafios que tem pela frente, ela nunca foi ensinada como transpor tudo isso, ela estava sendo protegida demais, e na verdade essa proteção toda só fez ela ficar vulnerável demais para se defender do que vem pela frente sem proteção nenhuma.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.