Simples

Sabe do que eu gosto?

Eu gosto da simplicidade de um dia de chuva.

Eu gosto, simplesmente, de um cabelo bagunçado e umas palavras fáceis de entender.

Eu gosto do pé descalço na grama que cresceu em meio ao concreto de uma calçada em São Paulo.

Eu gosto das roupas simples e com cores desbotadas, mas que caíram super bem em você.

Eu gosto de ver seu sorriso e seus olhos brilharem atrás desses óculos de armação fina e lentes grossas.

Eu gosto de tomar o cafezinho que custou um real, mas de ter sua companhia, quase majestosa, para falar da operação Lava jato, de bandas de metal core e da poesia de Machado de Assis.

Eu gosto de passar a mão no seu queixo e sentir essa barba mal feita que te deixa com cara de pai, parecendo que vai me proteger do mundo inteiro, se precisar.

Gosto tanto quando você me beija na bochecha e ela faz cócegas em mim.

Eu gosto do seu jeito simples de encarar a vida. A gente nasce, cresce, trabalha, casa, se reproduz e morre.

Eu gosto de quando você diz que dinheiro não é tudo na vida. Que não teria problema virar missionário e viver só do que te faz feliz, sem luxo nenhum.

Eu gosto tanto de ver que as crianças continuam puras, mesmo depois de saber de onde vêm os bebês e de que tem gente ruim no mundo.

Eu acho, simplesmente, que gosto de olhar para o céu e apreciar as suas cores, os seus ventos, os seus desejos.

Eu só quero ser simples, vestir simples, viver simples, crer simples, amar simples, sonhar simples.

Eu gosto do gosto simples que sua simplicidade tem e que faz eu ser do simples jeito gostoso de ser.